Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Aquabras

Aquabras

Luciano Pires -

Durante pesquisa para montagem de uma nova palestra encontrei referências a Marcus Vitruvius Pollio, um escritor, engenheiro e arquiteto romano que viveu no primeiro século antes de Cristo. Ele é autor de uma série de livros chamados De Architectura (Sobre Arquitetura), dedicados ao imperador Cesar Augusto, que são um guia para a construção de projetos.

Em um dos livros está uma descrição de como os romanos construíram seus aquedutos, desde a forma como os locais onde seriam construídos eram escolhidos até a definição de materiais a serem utilizados. Vitruvius já recomendava que não se utilizasse chumbo para conduzir água potável, 100 anos antes de Cristo…

Somados, os aquedutos construídos em Roma atingiam cerca de 800 quilômetros, pouco menos de 50 deles acima do solo. Os maiores aquedutos, ligando cidades distantes, atingiam cerca de 100 quilômetros de extensão. A água era movida pela gravidade de forma muito eficiente, e o exame das técnicas romanas demonstra sua sofisticação. Isso tudo 2000 anos atrás. Mas uma pesquisa revela que muito antes dos romanos, outras civilizações desenvolveram aquedutos para abastecer suas cidades.

Muito bem.

Estamos entrando na segunda década do século 21. Já botamos o homem na Lua, queremos mandá-lo para Marte e desenvolvemos tecnologias que, comparadas à dos romanos, podem ser consideradas mágicas. Mas abrimos os jornais, ligamos os rádios e televisões e o que vemos todo ano é o mesmo: Rio de Janeiro, Santa Catarina e Minas Gerais alagadas, com gente perdendo casas e vidas. Ao mesmo tempo, Sergipe e o Rio Grande do Sul sofrendo com secas terríveis, sem água para cozinhar e com o gado morrendo de sede as plantações dizimadas.

Então quero sugerir uma besteira, daquelas que os ignorantes tem licença para sugerir: que tal começar a pensar no Grande Aqueduto Nacional? Na Aquabras? Um sistema capaz de distribuir a água em excesso de uma região para outra, onde ela está em falta?

Você pode argumentar que essa é a proposta da transposição do Rio São Francisco, por exemplo, ou que o Brasil é grande demais. Talvez diga que do ponto de vista econômico essa obra é um desastre. Pode dizer também que a geografia brasileira não permite. Talvez argumente que a Aquabras, será apenas outra estatal cujos cargos de direção serão loteados pelo PT… Pois é. Posso encontrar dezenas de argumentos para não fazer, mas nenhum deles será mais forte que os argumentos para não fazer o trem bala Rio-SP, por exemplo, que vai consumir mais de 70 bilhões de reais e está em plena discussão.

A questão é de priorizar em que absurdo botar o dinheiro. Eu prefiro a Aquabras.

Tudo bem, minha sugestão é absurda, não sou engenheiro e não entendo lhufas de água, mas não me conformo em saber que 2000 anos atrás, sem computadores, sem internet, sem assistência de técnicos chineses e com muito menos dinheiro, Vitruvius resolveria o problema.

Pena que a solução para o problema não é técnica.

É política.

Luciano Pires