Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

Antigos Problemas

Antigos Problemas

Luciano Pires -

Outro daqueles artigos antigos que precisa ser lido, relido e trilido:

“Quem assegurará que, daqui a cinqüenta anos, ou mesmo no segundo centenário de nossa independência (2022), a situação da educação popular brasileira não seja ainda parecida com a de hoje? Mas, se tal acontecer, esperemos, para lisonjear a nossa vaidade e recompensar o nosso esforço, que as nossas memórias e as nossas campanhas sejam lembradas… por outros sonhadores… (que) irão, como nós, agora, revolver a poeira dos arquivos, os livros, os folhetos, e os jornais…”

Quem disse isso foi Antonio Carneiro Leão, educador, professor e escritor brasileiro, imortal da Academia Brasileira de Letras, preocupado com a melhoria do ensino no Brasil.

Recorri a esse texto após receber por e-mail o relato de uma professora de música de um colégio carioca de porte:

“Recebi de meu patrão a incumbência de dar aulas de Teatro e Artes Plásticas para a classe de alfabetização, além das de música. Diante de minha afirmação de que havia me formado em música, e não em teatro e artes plásticas, ouvi, por parte do diretor:´A gente confia em você!´, ´A gente sabe que você é capaz!´, ´É simples, faz uma colagenzinha ou dramatizaçãozinha com eles, nada demais´. Tentei negociar, mas não foi possível. Falei de minha formação, de minha falta de preparo para tal, mas parece que isso não importa muito. Não querem contratar outro, se há um que pode dar conta do serviço de três… Infelizmente, preciso do emprego, do dinheiro e sou obrigada a agir de forma um tanto desonesta com os profissionais das artes, com os próprios alunos e pais (que, sinceramente, não estão nem aí) e comigo mesma… De acordo com minhas possibilidades, estou correndo atrás de material que me dê uma base mínima e que me deixe um pouco menos insegura ao longo do ano. Fico imaginando até quando vou conseguir levar essa “mentira”… Já andei consultando amigos advogados que me disseram que a resposta a estes casos não costuma ser favorável, ou seja, dificilmente teríamos razão perante a lei. Fica difícil…”.

Pois é. O relato da professora mostra uma das faces do descaso com que a questão da educação é tratada no Brasil. Quando entrei no ginásio, no Instituto de Educação Ernesto Monte, no final dos anos 1960 em Bauru, fui da primeira turma que experimentou uma mudança importante. Era a introdução do conceito “pluricurricular”, uma tentativa de revolução na educação. Eu tinha aulas de marcenaria. Economia doméstica (numa cozinha!). Artes. Educação Sexual em salas de aula mistas! Uma loucura para aqueles anos de chumbo. Tão louca que acabou sucumbindo, entre outros problemas, ao viés ideológico que tomou conta do país em todos os setores. Ao longo do tempo e da discussão ideológica, aquela grade “pluricurricular” perdeu a força. Voltou um currículo tradicional, centrado nos conhecimentos técnicos e reforçado por uma sociedade cada vez mais competitiva, em que os temas “humanos” valem cada vez menos.

Depois de mais de 40 anos dessa visão torta, não é de se estranhar que os problemas brasileiros não sejam de matemática, história, geografia, física ou ciências. São das áreas humanas. São problemas éticos. Sociais. Comportamentais. São problemas que a matemática não resolve, a economia não entende e a ciência não explica. Problemas cujas raízes talvez tenham sido discutidas naquela aula babaca que você matou, lembra?

E repentinamente descobrimos que os alunos estão saindo das escolas formados pela metade, se tanto. Sem qualquer preparo para as “coisas da vida”, mas capazes de recitar o “pi” ao contrário…

Pois é. Sorte da professora de música do início deste texto. A visão curta dos dirigentes do tal colégio carioca a obrigou a estudar, a ampliar seus horizontes, a aprender sobre temas que ela desconhecia. Exatamente o que se devia proporcionar aos alunos.

Ah, a propósito. O texto de Antonio Carneiro Leão que abre este artigo foi escrito em 1923…

O Brasil não tem problemas novos.

Luciano Pires