Artigos Café Brasil
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

A visão

A visão

Luciano Pires -

Vivi ontem em Porto Alegre uma daquelas experiências que marcam a vida da gente. Fui convidado para fazer o encerramento do primeiro dia de um evento da Organização Nacional de Cegos do Brasil, que reúne 72 entidades que atuam para garantir às pessoas cegas oportunidades de acesso a conhecimento, tecnologia, trabalho e dignidade.

Seria um desafio. Sou um palestrante visual, com performance de palco, com projeções repletas de imagens, cores, vídeos… Seria a primeira vez que eu faria uma palestra para um público que, estando presente, não podia me ver. Mas eu já faço isso no Podcast… Sim, mas não é a mesma coisa. Eu estaria num auditório diante de 100 pessoas que só podiam me ouvir. Tive que repensar a palestra e desenvolver algo apoiado no som, tratando de empreendedorismo e escolhas, baseado em minha vida e em alguns cegos que causaram impacto sobre mim. E tendo como pano de fundo a discussão de um atributo fundamental para o empreendedor: a visão.

Mas falar de visão para cegos? Sim. A visão à qual eu me referia não era a ação ou efeito de ver, mas a que diz respeito à capacidade de imaginar cenários, projetar acontecimentos. E essa, os cegos tem de sobra…

Cheguei cedo para arrumar meu computador e encontro uma sala com cães-guia deitados aqui e ali, pessoas andando para lá e para cá com suas bengalas brancas, alguns voluntários ajudando… É nessa hora que a cabeça da gente explode.

A maioria absoluta de quem estava lá era voluntária, gente que tem empregos, que estuda, e que tirou três dias de licença para discutir como se organizar para ajudar outras pessoas cegas em suas regiões. E todos ali eram cegos ou com altíssima deficiência visual. No entanto o que mais vi foi humor. Muito bom humor. Gente politizada, interessada, lutadora, cada um com uma história mais impressionante que o outro. Tratamos de afetos, de correr riscos, de sonhos, de cultura, de ética…

Confesso que fiquei intimidado. A começar pelo politicamente correto. Eu devia me referir a eles como o quê? Cegos ou portadores de deficiência visual? Não tive dúvidas, perguntei, e a resposta foi imediata:

– Cegos! Olha o nome da nossa organização!

Enquanto eu palestrava, meus olhos percorriam a plateia. Ali a Olga, professora universitária. Aliás, doutora em Pedagogia. No outro lado o Ferrari, professor e palestrante que viaja por todo o país, falando para gente que pode e que não pode ver. Mais atrás a Gabi, garota tímida, estudante de Direito numa cidade pequena onde ela é a única cega. Ali no meio o Leopoldino, que em 2004 fez a revisão da edição de meu livro Brasileiros Pocotó em Braille. E aqui na frente o Moisés, presidente da entidade.

A palestra foi uma delícia. Brinquei, fiz piadas inclusive sobre a cegueira, tratei-os como gente normal e fiz a plateia explodir em aplausos quando contei a resposta que o alpinista cego Erik Weihenmayer deu em 2001  ao ser perguntado sobre o que fez para conseguir escalar o monte Everest:

– Não aceitei o papel que a sociedade reservou aos cegos.

Ao final fui cercado por dezenas deles, emocionados, querendo tirar selfies – sim! Eles tiram selfies! – e me parabenizando pelas palavras, pela emoção.

À noite fomos jantar num restaurante. Uma mesa com umas 20 pessoas, 15 delas cegas. O evento era dos cegos. Eles organizaram, chamaram o taxi, escolheram os pratos, pagaram a conta. Eu era apenas um convidado.

Vivi um dia diferente, em que fui conduzido por quem não pode ver. E saí de lá feliz por conhecer aqueles brasileiros que não aceitam o papel que a sociedade reservou aos cegos e escolhem não cruzar os braços.

Se tá difícil pra você, imagina pra eles.