Artigos Café Brasil
O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

O coração da empresa
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se fôssemos bons em tudo não necessitaríamos trabalhar em equipe.” (Gisela Kassoy)   É comum qualificarmos as empresas como “organismos vivos”. E, sob esta ótica, comparar seu funcionamento ...

Ver mais

Manual de disrupção do marketing
Mauro Segura
Transformação
17 fenômenos acontecendo no marketing que nem todo mundo está enxergando

Ver mais

A visão

A visão

Luciano Pires -

Vivi ontem em Porto Alegre uma daquelas experiências que marcam a vida da gente. Fui convidado para fazer o encerramento do primeiro dia de um evento da Organização Nacional de Cegos do Brasil, que reúne 72 entidades que atuam para garantir às pessoas cegas oportunidades de acesso a conhecimento, tecnologia, trabalho e dignidade.

Seria um desafio. Sou um palestrante visual, com performance de palco, com projeções repletas de imagens, cores, vídeos… Seria a primeira vez que eu faria uma palestra para um público que, estando presente, não podia me ver. Mas eu já faço isso no Podcast… Sim, mas não é a mesma coisa. Eu estaria num auditório diante de 100 pessoas que só podiam me ouvir. Tive que repensar a palestra e desenvolver algo apoiado no som, tratando de empreendedorismo e escolhas, baseado em minha vida e em alguns cegos que causaram impacto sobre mim. E tendo como pano de fundo a discussão de um atributo fundamental para o empreendedor: a visão.

Mas falar de visão para cegos? Sim. A visão à qual eu me referia não era a ação ou efeito de ver, mas a que diz respeito à capacidade de imaginar cenários, projetar acontecimentos. E essa, os cegos tem de sobra…

Cheguei cedo para arrumar meu computador e encontro uma sala com cães-guia deitados aqui e ali, pessoas andando para lá e para cá com suas bengalas brancas, alguns voluntários ajudando… É nessa hora que a cabeça da gente explode.

A maioria absoluta de quem estava lá era voluntária, gente que tem empregos, que estuda, e que tirou três dias de licença para discutir como se organizar para ajudar outras pessoas cegas em suas regiões. E todos ali eram cegos ou com altíssima deficiência visual. No entanto o que mais vi foi humor. Muito bom humor. Gente politizada, interessada, lutadora, cada um com uma história mais impressionante que o outro. Tratamos de afetos, de correr riscos, de sonhos, de cultura, de ética…

Confesso que fiquei intimidado. A começar pelo politicamente correto. Eu devia me referir a eles como o quê? Cegos ou portadores de deficiência visual? Não tive dúvidas, perguntei, e a resposta foi imediata:

– Cegos! Olha o nome da nossa organização!

Enquanto eu palestrava, meus olhos percorriam a plateia. Ali a Olga, professora universitária. Aliás, doutora em Pedagogia. No outro lado o Ferrari, professor e palestrante que viaja por todo o país, falando para gente que pode e que não pode ver. Mais atrás a Gabi, garota tímida, estudante de Direito numa cidade pequena onde ela é a única cega. Ali no meio o Leopoldino, que em 2004 fez a revisão da edição de meu livro Brasileiros Pocotó em Braille. E aqui na frente o Moisés, presidente da entidade.

A palestra foi uma delícia. Brinquei, fiz piadas inclusive sobre a cegueira, tratei-os como gente normal e fiz a plateia explodir em aplausos quando contei a resposta que o alpinista cego Erik Weihenmayer deu em 2001  ao ser perguntado sobre o que fez para conseguir escalar o monte Everest:

– Não aceitei o papel que a sociedade reservou aos cegos.

Ao final fui cercado por dezenas deles, emocionados, querendo tirar selfies – sim! Eles tiram selfies! – e me parabenizando pelas palavras, pela emoção.

À noite fomos jantar num restaurante. Uma mesa com umas 20 pessoas, 15 delas cegas. O evento era dos cegos. Eles organizaram, chamaram o taxi, escolheram os pratos, pagaram a conta. Eu era apenas um convidado.

Vivi um dia diferente, em que fui conduzido por quem não pode ver. E saí de lá feliz por conhecer aqueles brasileiros que não aceitam o papel que a sociedade reservou aos cegos e escolhem não cruzar os braços.

Se tá difícil pra você, imagina pra eles.