Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

A utopia

A utopia

Luciano Pires -

Um de meus leitores, o Sidclay Prazeres, escreve:
 
“Será utopia querer conhecer um plano de governo que nos convença de fato de que algo vai mudar? Um que demonstre claramente como será equacionada a questão da previdência social, que tenha coragem para extinguir os benefícios de ex-políticos, militares e “alguns servidores” com pensões vitalícias? Algum candidato honesto que nos diga quantos ministérios serão extintos em sua gestão, e o que obviamente o país ganhará com isso? Alguém que queira colocar ordem na Casa Civil, que custa ao Brasil mais que a manutenção da coroa britânica, com seus guardanapos de renda “não sei de onde”de R$ 1.000,00 cada, salmão e caviar importado? Um apenas, que nos ofereça soluções para as questões básicas de educação e saúde, que não ceda às pressões do funcionalismo público e seu “eterno” mimimi por melhores salários e condições de trabalho, ignorando completamente a realidade do mercado e dos demais brasileiros? Um partido capaz de apresentar uma proposta de reforma/desoneração tributária e suas reais implicações na economia? Onde estão as propostas, os planos de governo que irão nos tirar da tão comentada inércia? As propostas e o plano de ação para implementá-las, por favor. O eleitorado, por incrível que pareça, está mais consciente e maduro, será preciso muito mais que ataques para convencer o cidadão. #euqueropropostadegoverno e não me venha com chorumelas. Diga mestre Luciano Pires, será utopia?”

Bem, imagino que a dúvida do Sidclay seja a de milhões de brasileiros, não é? Não acho que seja utopia, Sidclay, mas isso tudo que você quer cabe numa “carta aos brasileiros”, que não passa de um protocolo de intenções. É isso que ouviremos nos próximos meses: promessas. E os planos de governo repletos de promessas serão publicados e quase ninguém os lerá.

Promessas são promessas. É a transformação delas em realidade a verdadeira utopia, posto que há que “politizar” para poder governar. E politizar significa negociar, conceder, engolir sapos até chegar naquilo que se transformou o conceito de governabilidade no Brasil: aparelhamento do estado, compadrio, nepotismo e tudo o que temos visto.

A questão então é: até onde o candidato pretende conceder? Até que ponto chegará para obter o que deseja? Que interesses colocará em primeiro lugar? A extensão desse compromisso nenhum candidato dirá claramente. De novo: na “carta aos brasileiros” cabe tudo. De boas intenções o inferno está cheio, como dizia meu avô em Bauru.

Mas não temos como saber se o “serviço” que compramos de um candidato é bom antes de elegê-lo, não é? Como a pintura da parede de sua casa, você só terá certeza de que ficou boa depois de pintada. É essa a verdadeira crise nacional: perdemos a credibilidade no “pintor”. Não acreditamos que um político, qualquer político, seja capaz de cumprir o que promete. E temos razão de pensar assim, além da experiência histórica, estamos muito bem treinados – especialmente pela imprensa – a desconfiar de tudo e de todos. A tirar números do contexto. Ao confronto. E como você diz, “será preciso muito mais que ataques para convencer o cidadão.”

E na tentativa de conhecer os “pintores”, primeiro limitado aos dois que disputam os primeiros lugares com Dilma Roussef, publiquei um post no Facebook pedindo opinião de gente que vive ou conhece Minas Gerais e Pernambuco sob os governos de Aécio Neves e Eduardo Campos. Tá no link: http://on.fb.me/1heUzcl ou logo abaixo no post incorporado:

 

A primeira leitura dos comentários mostra como os políticos vivem num mundo de percepções onde são santos e demônios ao mesmo tempo.

Essa é minha tentativa tímida, limitada e insegura, de conseguir referência sobre os pintores diretamente de quem utilizou seus serviços, e não apenas através de panfletos de propaganda. Com todas as limitações, as mídias sociais são as melhores ferramentas que uma pessoa, interessada e com mais de um neurônio funcionando, tem para saber quem é que cumpre o que promete.

Assim fica mais fácil ler as intenções por trás dos planos.
 
Luciano Pires