Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

A utopia

A utopia

Luciano Pires -

Um de meus leitores, o Sidclay Prazeres, escreve:
 
“Será utopia querer conhecer um plano de governo que nos convença de fato de que algo vai mudar? Um que demonstre claramente como será equacionada a questão da previdência social, que tenha coragem para extinguir os benefícios de ex-políticos, militares e “alguns servidores” com pensões vitalícias? Algum candidato honesto que nos diga quantos ministérios serão extintos em sua gestão, e o que obviamente o país ganhará com isso? Alguém que queira colocar ordem na Casa Civil, que custa ao Brasil mais que a manutenção da coroa britânica, com seus guardanapos de renda “não sei de onde”de R$ 1.000,00 cada, salmão e caviar importado? Um apenas, que nos ofereça soluções para as questões básicas de educação e saúde, que não ceda às pressões do funcionalismo público e seu “eterno” mimimi por melhores salários e condições de trabalho, ignorando completamente a realidade do mercado e dos demais brasileiros? Um partido capaz de apresentar uma proposta de reforma/desoneração tributária e suas reais implicações na economia? Onde estão as propostas, os planos de governo que irão nos tirar da tão comentada inércia? As propostas e o plano de ação para implementá-las, por favor. O eleitorado, por incrível que pareça, está mais consciente e maduro, será preciso muito mais que ataques para convencer o cidadão. #euqueropropostadegoverno e não me venha com chorumelas. Diga mestre Luciano Pires, será utopia?”

Bem, imagino que a dúvida do Sidclay seja a de milhões de brasileiros, não é? Não acho que seja utopia, Sidclay, mas isso tudo que você quer cabe numa “carta aos brasileiros”, que não passa de um protocolo de intenções. É isso que ouviremos nos próximos meses: promessas. E os planos de governo repletos de promessas serão publicados e quase ninguém os lerá.

Promessas são promessas. É a transformação delas em realidade a verdadeira utopia, posto que há que “politizar” para poder governar. E politizar significa negociar, conceder, engolir sapos até chegar naquilo que se transformou o conceito de governabilidade no Brasil: aparelhamento do estado, compadrio, nepotismo e tudo o que temos visto.

A questão então é: até onde o candidato pretende conceder? Até que ponto chegará para obter o que deseja? Que interesses colocará em primeiro lugar? A extensão desse compromisso nenhum candidato dirá claramente. De novo: na “carta aos brasileiros” cabe tudo. De boas intenções o inferno está cheio, como dizia meu avô em Bauru.

Mas não temos como saber se o “serviço” que compramos de um candidato é bom antes de elegê-lo, não é? Como a pintura da parede de sua casa, você só terá certeza de que ficou boa depois de pintada. É essa a verdadeira crise nacional: perdemos a credibilidade no “pintor”. Não acreditamos que um político, qualquer político, seja capaz de cumprir o que promete. E temos razão de pensar assim, além da experiência histórica, estamos muito bem treinados – especialmente pela imprensa – a desconfiar de tudo e de todos. A tirar números do contexto. Ao confronto. E como você diz, “será preciso muito mais que ataques para convencer o cidadão.”

E na tentativa de conhecer os “pintores”, primeiro limitado aos dois que disputam os primeiros lugares com Dilma Roussef, publiquei um post no Facebook pedindo opinião de gente que vive ou conhece Minas Gerais e Pernambuco sob os governos de Aécio Neves e Eduardo Campos. Tá no link: http://on.fb.me/1heUzcl ou logo abaixo no post incorporado:

 

A primeira leitura dos comentários mostra como os políticos vivem num mundo de percepções onde são santos e demônios ao mesmo tempo.

Essa é minha tentativa tímida, limitada e insegura, de conseguir referência sobre os pintores diretamente de quem utilizou seus serviços, e não apenas através de panfletos de propaganda. Com todas as limitações, as mídias sociais são as melhores ferramentas que uma pessoa, interessada e com mais de um neurônio funcionando, tem para saber quem é que cumpre o que promete.

Assim fica mais fácil ler as intenções por trás dos planos.
 
Luciano Pires