Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

A terceirização e os brontossauros

A terceirização e os brontossauros

Luciano Pires -

Cara, a Confraria Café Brasil está se me surpreendendo a cada dia, pelo nível e a dinâmica das discussões. Semana passada o tema #terceirização pegou fogo, com opiniões de todos os matizes por lá. E eu não fiquei de fora, dando meu testemunho.

Eu me envolvi enormemente com a questão da terceirização ao longo dos anos 1990 e começo dos 2000. Estava dentro de uma indústria de autopeças que lutava para que as montadoras terceirizassem para nós diversas atividades (e conseguimos), ao mesmo tempo em que buscávamos terceirizar uma série de atividades que não eram consideradas nosso “core business”. E fizemos isso de monte, inclusive passando funcionários que eram CLT para as empresas terceirizadas.

Nesse processo, assisti de tudo. Eu era o Diretor de Marketing da empresa e terceirizei diversas atividades, do trabalho de promoção de vendas a serviços logísticos, sempre buscando a equação “ampliar os serviços x reduzir nossas despesas fixas”. Mas havia um mandamento rígido: jamais terceirizar algo para alguém pior que nós. Só haveria sentido na terceirização se ela representasse, sem aumento substancial de custos, melhoria nos serviços.

Poucos dias atrás participei de um churrasco com nossa “turma da antiga”, reunindo pessoas que eu não via há mais de 10 anos.  Eu era a “patente mais alta” no churrasco, que aconteceu na sede da empresa de dois ex-funcionários, o Carlão e o Guerra. Os dois eram promotores de vendas e foram terceirizados na minha época, demitidos por mim para montar uma empresa que foi contratada para fazer o mesmo trabalho que faziam na empresa, coordenando as operações de promoção de vendas pelo Brasil.

Detalhe: o estímulo para que tomassem essa atitude não veio do espírito empreendedor deles, mas da minha certeza de que seria uma estruturação melhor para todos. Eles aceitaram o risco e foram em frente. Hoje a empresa deles atende diversos clientes do segmento automotivo, não atende mais a empresa em que trabalhávamos, emprega cerca de 30 pessoas e eles nem querem pensar em voltar a ser CLT. Durante o churrasco falamos sobre um outro colega, o Danilo, que também demiti 20 anos atrás, combinando que ele montaria uma empresa de motoboys para nos atender. Hoje ele é dono de uma das maiores empresas de motoboys de São Paulo, com mais de 300 “cachorrões”, está muito bem e nem quer falar em voltar a ser CLT.

Vi histórias como essas às dezenas, que só aconteceram a partir do estímulo da terceirização. E veja, eles não eram funcionários de alto escalão, eram promotores de vendas.

Também pratiquei o contrário: pelo menos cinco funcionários em minha área vieram de empresas terceirizadas, onde desempenharam tão bem seu papel que, quando os contratos terminaram por causa do final de projetos, fui buscá-los para trabalhar conosco. Foi a terceirização que lhes deu a chance de apresentar seu trabalho e encontrar uma oportunidade dentro de uma multinacional.

Onde quero chegar?

A terceirização é uma excelente saída, de eficiência comprovada por mim, pessoalmente, em inúmeras ocasiões. Ela abre oportunidades para que coisas aconteçam; dá chance às pessoas de obter trabalhos aos quais não teriam acesso; ajuda a melhorar a qualidade de processos; dissemina melhores práticas pelo mercado e espalha o vírus do empreendedorismo pela sociedade.

Pois é. Mas no meio desse monte de virtudes tem um filho da puta que vai explorar outras pessoas, que vai jogar sujo, que não pagará direitos, como existe em qualquer lugar, inclusive naqueles onde a CLT prevalece.

O que é preciso ser feito? Que se acabe a impunidade, que a lei seja cumprida, que se esse projeto de lei que aí está é mal redigido, abrindo brechas para os bandidos que sempre são a minoria, que coloquemos o foco sobre ele, o projeto, e não na demonização do processo de terceirização, quarteirização ou o que seja.

Pelo que vi ao longo dos mais de trinta anos de minha trajetória profissional, a terceirização deu muito certo na teoria e na prática. Pergunte pro Carlão, pro Guerra, pro Danilo, pro Mauro, pra Dirce, pra Carla, pro Manoel, pro Cassio e para tantos outros que conheço de perto.

É preciso evoluir nas questões trabalhistas e a terceirização é um caminho antigo, já experimentado e de eficiência comprovada, mas que nossos brontossauros, lentos, pesados e espaçosos, teimam em contestar, como sempre legislando pela exceção e exigindo um Estado equivalente ao Indominus Rex.

E assim continuamos empurrando o problema. Até o dia que o asteróide chegar.