Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 719 – Licença poética
Café Brasil 719 – Licença poética
Quem me acompanha há muitos anos sabe que tive um amigo ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Olha, este é outro daqueles programas de sonho, ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

Café Brasil 718 – No lugar do outro
Café Brasil 718 – No lugar do outro
É nos momentos de tempestade, de crise, quando não há ...

Ver mais

LíderCast 201 – Marco Piquini
LíderCast 201 – Marco Piquini
Ex-executivo da Fiat, um profissional de comunicação, ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

LíderCast 198 – Hélio Contador
LíderCast 198 – Hélio Contador
Ex-executivo de grandes empresas do setor automotivo, ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

A atualidade de Malthus
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A atualidade de Thomas Malthus “O famoso contraste que Malthus estabeleceu entre as duas espécies de progressões – o aumento geométrico da população e o crescimento aritmético da produção de ...

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Perfeccionismo só é defeito quando mal utilizado
Henrique Szklo
Iscas Criativas
Ao ser questionada sobre quais são seus defeitos, muita gente coloca, envergonhadamente, o perfeccionismo como um dos mais tóxicos, como está na moda dizer. Muitos, inclusive, culpam este ...

Ver mais

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia? “… as crises econômicas inevitavelmente dão origem a períodos críticos em que uma economia é refeita para que possa recuperar-se ...

Ver mais

Cafezinho 285 – O Buraco Negro
Cafezinho 285 – O Buraco Negro
A única resposta é: “O senhor tem de aguardar”.

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Passada a pandemia, teremos de ser ainda mais ...

Ver mais

A sabedoria que vem da mata

A sabedoria que vem da mata

Luciano Pires -

Lancei uma nova palestra chamada SustentHabilidade esta semana, num evento muito agradável onde cerca de 600 pessoas ouviram algumas provocações a respeito de um tema que tem sido abordado à exaustão nos últimos tempos: a sustentabilidade. A nada sutil inclusão de um “h” no título dava uma pista do conteúdo da palestra: eu não queria falar de sustentabilidade em si. Tem gente demais – e gente boa – falando a respeito e meu conhecimento sobre o assunto é apenas superficial. Por isso num momento da palestra eu disse que poderia estar falando de “inovhabilidade”, “flexihabilidade” ou “qualidhabilidade”. Minha intenção era falar sobre nossa capacidade (ou habilidade) de colocar em prática o que os belos discursos pregam.

E pelo retorno dos que assistiram, acho que consegui atingir meu objetivo.

Um momento que julgo ser de especial importância na palestra é o encerramento. Várias vezes bati na tecla de que temos muito a aprender com a  capacidade da natureza em manter o equilíbrio entre os infinitos elementos animais, vegetais e minerais que a compõem. Equilíbrio. E quem mais sabe do equilíbrio da natureza do que os índios?

Pois saí procurando e de cara encontrei uma famosa “carta do cacique Seattle”, dos EUA, que no século 19 teria escrito um manifesto lindíssimo sobre a relação do homem com a natureza. Mas bastou uma pequena investigação para descobrir que a tal carta é falsa. Foi escrita por um roteirista de cinema e depois distribuída como sendo de autoria do velho cacique.

Continuei a procura e acabei encontrando uma pérola aqui mesmo no Brasil. Mais especificamente num blog do Pará, o pelasruasdebelem . São as palavras de Kapjêre Jõpaipaire, um índio parkatêjê paraense. Conversando com a professora Marineusa Gazzetta, da UNICAMP, ele pronunciou algumas palavras que a impressionaram. Ela pediu permissão para anotá-las e divulgá-las. Leia com atenção e repare como a sabedoria está nas coisas mais simples:

“No verão esquenta e a água sobe; o corpo está quente e a água sobe; de noite esfria e volta de novo a água no corpo da gente. O calor da água está em tudo: em nós, na madeira, nas plantas e sobe e vai juntando. Forma nuvem. E quando está no dia da chuva, cai pra nós bebermos, para os animais, para as plantas…

A madeira (o mato) é nosso pai, dá a produção pro filho comer e defende a gente. A terra diz: ‘Eu sou a mãe de vocês; agora vocês têm que me gostar e me usar para viver.’ A terra é nossa mãe – cria a gente. A terra quer que a gente produza para comer. A terra – não sabemos de demarcação – não tem limite, é aberta. Índio anda 60 quilômetros num dia. Mato diz pro filho: ‘Olha, filho, eu vou me produzir pra você comer, mas você tem que me olhar e não deixar me prejudicar.’

O céu é nosso irmão mais velho. Ele manda na chuva e manda a chuva pra nós, pra beber, molhar as plantas, criar peixes, tomar banho, lavar…

A mata é um lençol para nós, por isso índio morava na mata. É saúde.

O sol é forte, traz doença e o vento carrega a doença pro mundo (não é só para o índio); a mata atrapalha o vento e não deixa passar a doença.

Agora não tem mais mata. Por isso está aparecendo muita doença.”

Precisa comentar?

Luciano Pires