Artigos Café Brasil
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

A revolução do iPad

A revolução do iPad

Luciano Pires -

Escrevi em 2005 um texto chamado “Os Preçonhentos” sobre o perigo que o ocidente corre ao desmantelar seus parques industriais e entregar para a China a atividade de fabricar produtos. Assumindo controle total sobre a fabricação de itens estratégicos, a China elevará os preços, provocando um “choque da manufatura”, equivalente ao choque do petróleo dos anos 1970. Essa não é uma estratégia comercial, mas de poder. E em minhas palestras as pessoas perguntam: “E daí? Qual será o futuro?”. Minha resposta:

– A Revolução do iPad. A China cairá quando cada chinês achar que tem direito a um iPad. 

Nesse dia, os 20 burocratas que tiranizam o país não resistirão aos bilhões de indignados espalhados pelas ruas. E então, obrigada a proporcionar ao povo acesso a confortos materiais e liberdade de escolha, a China capitalista verá seus custos subirem até o patamar real de competitividade e será obrigada a jogar o jogo comercial global em condições de igualdade com os demais países.

Que fique claro: o “iPad” de meu comentário representa não o “tablet” da Apple, mas os confortos tecnológicos e a liberdade individual comuns ao ocidente e que os chineses desconhecem.

Para entender o que pode vir a ser a Revolução do iPad, observemos o Japão. Empenhado em se recuperar da destruição da II Guerra, a partir dos anos 1970 o Japão se transformou na segunda maior economia do planeta, graças a uma cultura que combinava disciplina férrea com entrega total ao trabalho, mesmo ao custo da perda completa da individualidade. Quando a partir dos anos noventa uma nova geração chegou à maturidade, composta de jovens japoneses que estudaram fora e/ou tomaram contato com os confortos da sociedade de consumo ocidental, a coisa virou. Foi a “Revolução do iPad” japonesa: quero ganhar mais, quero morar melhor, quero lazer, quero liberdade para me expressar, quero ter minha própria identidade. Quero liberdade de escolher! 

E a sociedade quase militar japonesa implodiu. O Japão estagnou. É claro que outros fatores tiveram peso, mas tenho certeza que o choque cultural daquela “Revolução do iPad” desempenhou um papel fundamental na interrupção do crescimento vertiginoso do Japão. 

Guardadas as proporções e diferenças sociais e de contextos, com a China acontecerá o mesmo: cada Chinês vai querer sua parte de conforto.

E é aí que entram as tais redes sociais. Elas mostram “os iPads” para gente que nunca os viu, deixando explícito que existe outro mundo possível. Livre. E despertam nos jovens a sede de mudança…

Os recentes acontecimentos no Egito, Líbia e em outros países do oriente médio originam-se em parte na “Revolução do iPad”, que é irreversível. Só pode ser postergada à custa de sangue, o que os burocratas chineses certamente tentarão fazer. Mas uma atitude dessas é insustentável no mundo de hoje.   

Quem conhece a história sabe que grupos ideológicos manipulam a sede de mudança da garotada para promover o tal “mundo possível”, aquele que mata no presente para melhorar a vida num futuro que nunca chega. O risco do nascimento de ditaduras extremistas piores do que as que estão caindo é muito grande. Exceto na China onde, em termos de liberdades individuais, pior que tá não pode ficá, como diria aquele ilustríssimo integrante da Comissão de Educação e Cultura de nossa Câmara dos Deputados. 

Vou esperar pra ver. Ouvindo meu iPod, enquanto sonho com meu iPad.

PS: Assista este vídeo e veja o que pode vir pela frente: http://www.youtube.com/embed/2yL7t0j_4tQ

Luciano Pires