Artigos Café Brasil
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

711 – Cafezinho Live – Gustavo Cerbasi
711 – Cafezinho Live – Gustavo Cerbasi
O mundo está mergulhado num cenário de perplexidade, ...

Ver mais

710 – Todo mundo junto
710 – Todo mundo junto
Cara... que tempo louco estamos vivendo, não é? E no ...

Ver mais

709 – Sobre perguntas
709 – Sobre perguntas
O Sandro Magaldi e o José Salibi Neto são dois ...

Ver mais

708 – Manifesto do Educador Honesto
708 – Manifesto do Educador Honesto
Afinal de contas, o que é um educador? É uma professora ...

Ver mais

LíderCast 193 – Paulo Eduardo Martins
LíderCast 193 – Paulo Eduardo Martins
Jornalista combativo que sofreu as consequências da ...

Ver mais

LíderCast 192 – Eduardo Villela
LíderCast 192 – Eduardo Villela
Homem dos livros, mas de fazer livros. Com extensa ...

Ver mais

LíderCast 191 – Giovani Colacicco
LíderCast 191 – Giovani Colacicco
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da ...

Ver mais

LíderCast 190 – Alcides Braga
LíderCast 190 – Alcides Braga
De office boy a dono da Truckvan, uma história ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Um mundo carente de lideranças
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A carência de lideranças políticas e o enfrentamento da pandemia “Um líder é alguém que sabe o que quer alcançar e consegue comunicá-lo.” Margaret Thatcher Poucos conceitos passaram por ...

Ver mais

Aprenderemos algo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sim… afinal, não é possível que atravessemos esse inferno “coronário” sem tirar algum ensinamento, alguma aprendizagem, disso tudo. No caso do brasileiro, alguma disciplina e respeito, e já ...

Ver mais

Liga e desliga
Chiquinho Rodrigues
Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela ...

Ver mais

Vivendo e aprendendo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vivendo e aprendendo  Lições da quarentena “Vivendo e aprendendo a jogar Vivendo e aprendendo a jogar Nem sempre ganhando Nem sempre perdendo Mas, aprendendo a jogar.” Guilherme Arantes O mundo ...

Ver mais

Cafezinho 269 – O meu sapato
Cafezinho 269 – O meu sapato
E aí chega a crise, o vento leva embora a espuma .

Ver mais

Cafezinho 268 – Skin In The Game
Cafezinho 268 – Skin In The Game
Faça o exercício de imaginar que decisão você tomaria ...

Ver mais

Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Escolha bem suas conexões para não infectar também a mente.

Ver mais

CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
Neste momento em que para deter uma epidemia os ...

Ver mais

A Próxima Bomba

A Próxima Bomba

Luciano Pires -

No canal GNT foi ao ar algum tempo atrás um documentário sobre as crianças israelenses e palestinas, mostrando o ódio que aprendem a nutrir entre si desde que nascem. Depois de uma extensa negociação, no momento mais dramático, o jornalista reúne numa mesma sala os dois grupos inimigos. O clima é pesadíssimo. A desconfiança, o ódio e o medo impregnam o ambiente.

São crianças normais, bonitas e divertidas. Os olhares são curiosos, mas naquele instante elas só são crianças na forma, nas feições. A expressão dos olhares não deixa dúvidas: o sentimento é de medo e ódio ao inimigo.

Posso entender o medo no olhar de uma criança. Mas não entendo o ódio.

Eu também era criança quando comecei a acompanhar a questão Israel x Palestina. E como minha fonte de informação primária é a imprensa, desconfio. Cada um conta a história com as cores que lhe interessam e neste caso recente dos ataques israelenses à faixa de Gaza, a grande arma é mesmo a imprensa. Mais propriamente: as fotografias. Principalmente as fotografias das crianças. Não existe argumento que justifique uma imagem de crianças mortas, cena capaz de destruir nossa capacidade de discutir racionalmente as circunstâncias daquelas mortes.

Crianças mortas são uma ofensa à humanidade. Ponto. Não interessam as razões. Elas estão mortas e isso é inaceitável.

Imagens têm uma força genuína que muda a história. O general vietnamita dando um tiro na cabeça do prisioneiro algemado. A menina correndo nua com o corpo queimado pelo Napalm. O monge imolando-se em praça pública… Foram imagens fortes que mudaram o destino da guerra do Vietnan, por exemplo.

Mas imagens – quando na mídia – são mais que a captura de um momento. São editoriais. Opiniões emitidas por quem tem um lado.

Por isso desconfio. Desconfio do enquadramento. Da iluminação. Do vermelho do sangue. Do choro da mãe. Dos olhos abertos da criança morta. Do posicionamento da foto na página. Da sequência com que são publicadas. O terror da morte está lá, é inegável e indigno. Mas quem é que está me passando a mensagem? Que intenção está embutida nela? Que valores estão presentes ou ausentes? Se eu fosse palestino, como reagiria a ela? E se eu fosse israelense? Em que contexto a imagem foi obtida? Que reação pretendem que eu tenha diante dela? Indignação? Contra quem?

Estamos vivendo a guerra da propaganda, que extrapola o campo de batalha para tomar conta das televisões, jornais e revistas do mundo todo. Sempre foi assim, mas agora está mais rápido. Mais cru. Mais tendencioso. E com a internet, então, mais manipulável.

E não interessa se somos pró-israelenses ou pró-palestinos. Devemos ter o cuidado de ouvir todas as opiniões, conhecer não só o contexto histórico, mas principalmente as idéias, ideologias e valores de quem está nos transmitindo a informação. Sobre quem está tentando nos convencer acerca do certo ou do errado.

Crianças mortas serão sempre um erro. Concluir sobre as responsabilidades é muito mais complicado.

E então acontece um momento mágico naquele documentário do GNT.

O jornalista pergunta para as crianças sobre o que elas mais gostam e a resposta é imediata e unânime entre palestinos e israelenses: futebol.
E quando ele pergunta para quem elas torcem, abrem-se sorrisos e os olhares tornam-se cúmplices: Brasil. O clima de horror desaparece. O ódio transforma-se em sorrisos. Fica a paz, a satisfação. O futebol brasileiro, naquele momento, torna-se mais importante que a guerra. E as crianças esquecem as diferenças, quebram as barreiras e transformam-se naquilo que realmente são: crianças.



Pelo menos até a próxima bomba.