Artigos Café Brasil
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

710 – Todo mundo junto
710 – Todo mundo junto
Cara... que tempo louco estamos vivendo, não é? E no ...

Ver mais

709 – Sobre perguntas
709 – Sobre perguntas
O Sandro Magaldi e o José Salibi Neto são dois ...

Ver mais

708 – Manifesto do Educador Honesto
708 – Manifesto do Educador Honesto
Afinal de contas, o que é um educador? É uma professora ...

Ver mais

707 – O benefício da dúvida – Revisitado
707 – O benefício da dúvida – Revisitado
O programa de hoje é a revisita a um episódio publicado ...

Ver mais

LíderCast 192 – Eduardo Villela
LíderCast 192 – Eduardo Villela
Homem dos livros, mas de fazer livros. Com extensa ...

Ver mais

LíderCast 191 – Giovani Colacicco
LíderCast 191 – Giovani Colacicco
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da ...

Ver mais

LíderCast 190 – Alcides Braga
LíderCast 190 – Alcides Braga
De office boy a dono da Truckvan, uma história ...

Ver mais

LíderCast 189 – Deborah Alves
LíderCast 189 – Deborah Alves
Jovem empreendedora, formada em Ciência da Computação e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Aprenderemos algo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sim… afinal, não é possível que atravessemos esse inferno “coronário” sem tirar algum ensinamento, alguma aprendizagem, disso tudo. No caso do brasileiro, alguma disciplina e respeito, e já ...

Ver mais

Liga e desliga
Chiquinho Rodrigues
Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela ...

Ver mais

Vivendo e aprendendo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vivendo e aprendendo  Lições da quarentena “Vivendo e aprendendo a jogar Vivendo e aprendendo a jogar Nem sempre ganhando Nem sempre perdendo Mas, aprendendo a jogar.” Guilherme Arantes O mundo ...

Ver mais

Analogias inusuais
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Analogias inusuais  Para desenvolver a criatividade… e para entender as crises econômicas “Para os historiadores cada evento é único. Os economistas, entretanto, sustentam que as forças da ...

Ver mais

Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Escolha bem suas conexões para não infectar também a mente.

Ver mais

CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
Neste momento em que para deter uma epidemia os ...

Ver mais

Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Vamos combater o novo Coronavirus com Fitness Intelectual.

Ver mais

Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Quando você muda o rótulo, pode até mudar o sentido da ação.

Ver mais

A pedagogia da porrada

A pedagogia da porrada

Luciano Pires -

Ontem passei o dia recebendo recados de pessoas perguntando se eu não ia falar dos professores no Paraná, inclusive provocações de esquerdistas à espera de uma palavra minha sobre o malvado governador do PSDB que mandou a polícia trucidar os pobres professores.

Não. Eu decido minhas pautas, quando e como falar. E não costumo falar no calor dos acontecimentos, quando ninguém ouve, todo mundo bate, todo mundo apanha, todo mundo tem razão e ninguém tem razão. Por isso esperei passar o auge do conflito.

Para comentar o que aconteceu no Paraná, há que se refletir sobre o que se vê e o que não se vê. E na forma e conteúdo.

Conteúdo: os professores brasileiros, assim como os demais profissionais da educação, há muito, pelo menos 40, 50 anos, sofrem um processo de perda de importância. Foram relegados a segundo plano, recebem salários ridículos, trabalham sob condições horríveis, perderam autoridade e só mesmo aqueles que amam o que fazem superam os obstáculos para se manter felizes na profissão. O Brasil precisa recuperar essa classe, fundamental para que o país cresça, se liberte do populismo rasteiro e abrace sua vocação empreendedora. São os professores os agentes dessa mudança e deveriam portanto ter a importância reconhecida. Nenhum político deveria ter salário maior que um professor experiente. Nenhum político deveria tratar a educação em segundo plano. Ponto.

É justo que os professores reclamem, é justo que sociedade se una em torno deles, é justo que todos busquemos valorizar a classe de profissionais mais importante deste país. Antes de um médico, de um engenheiro, de um advogado, de um marqueteiro, de um politico, tem sempre um professor. Sempre que vejo uma manifestação de professores pedindo por melhores condições de trabalho, salário e segurança, me solidarizo com eles.

Estou com os professores e não abro. Tá entendido?

Forma: os professores brasileiros, assim como diversas outras classes profissionais como metalúrgicos, metroviários, profissionais da saúde, há muito são usados pelo sindicalismo de conveniência. Gente especializada em baderna é infiltrada nas manifestações, provocando os confrontos. Buscam um cadáver. Até o momento só conseguiram um, o cinegrafista da Bandeirantes, mas esse não serve. É um cadáver do lado errado.

Quem são aqueles indivíduos truculentos atacando a polícia, quebrando o prédio, ameaçando as pessoas? Professores? Black blocs infiltrados? Iniciado o conflito isso não interessa mais. Sobra bala de borracha, bomba, cassetete e mordida de cachorro para todos, como vimos ontem no Paraná, em Baltimore e em Katmandu. Não defendo a truculência policial, o que quero reiterar é que não importa se o governo é de direita, esquerda ou centro, na porrada o Estado sempre ganha. E os que defendem a ideia medieval de que o sangue – sempre dos outros – é a única forma de pressionar os poderosos, sabem disso e se apoderam dos movimentos legítimos das classes para trabalhar sorrateiramente por seus projetos de poder.

Há muito aprendemos que é o resultado estético da porrada que verdadeiramente interessa aos que provocam conflitos para defender suas agendas. A quem servem as imagens poderosas da professora sangrando, do jornalista mordido, das crianças tossindo com o gás? É possível permanecer indiferente a elas? Claro que não!

Passado o conflito, as redes sociais e a imprensa se dedicam furiosamente a falar da truculência da polícia, das pobres vítimas e do perverso governador, focando naquilo que se vê.

Mas a questão está no que não se vê.

Me responda então: a quem interessa a pedagogia da porrada?

Duvido que aos professores.