Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

A pedagogia da porrada

A pedagogia da porrada

Luciano Pires -

Ontem passei o dia recebendo recados de pessoas perguntando se eu não ia falar dos professores no Paraná, inclusive provocações de esquerdistas à espera de uma palavra minha sobre o malvado governador do PSDB que mandou a polícia trucidar os pobres professores.

Não. Eu decido minhas pautas, quando e como falar. E não costumo falar no calor dos acontecimentos, quando ninguém ouve, todo mundo bate, todo mundo apanha, todo mundo tem razão e ninguém tem razão. Por isso esperei passar o auge do conflito.

Para comentar o que aconteceu no Paraná, há que se refletir sobre o que se vê e o que não se vê. E na forma e conteúdo.

Conteúdo: os professores brasileiros, assim como os demais profissionais da educação, há muito, pelo menos 40, 50 anos, sofrem um processo de perda de importância. Foram relegados a segundo plano, recebem salários ridículos, trabalham sob condições horríveis, perderam autoridade e só mesmo aqueles que amam o que fazem superam os obstáculos para se manter felizes na profissão. O Brasil precisa recuperar essa classe, fundamental para que o país cresça, se liberte do populismo rasteiro e abrace sua vocação empreendedora. São os professores os agentes dessa mudança e deveriam portanto ter a importância reconhecida. Nenhum político deveria ter salário maior que um professor experiente. Nenhum político deveria tratar a educação em segundo plano. Ponto.

É justo que os professores reclamem, é justo que sociedade se una em torno deles, é justo que todos busquemos valorizar a classe de profissionais mais importante deste país. Antes de um médico, de um engenheiro, de um advogado, de um marqueteiro, de um politico, tem sempre um professor. Sempre que vejo uma manifestação de professores pedindo por melhores condições de trabalho, salário e segurança, me solidarizo com eles.

Estou com os professores e não abro. Tá entendido?

Forma: os professores brasileiros, assim como diversas outras classes profissionais como metalúrgicos, metroviários, profissionais da saúde, há muito são usados pelo sindicalismo de conveniência. Gente especializada em baderna é infiltrada nas manifestações, provocando os confrontos. Buscam um cadáver. Até o momento só conseguiram um, o cinegrafista da Bandeirantes, mas esse não serve. É um cadáver do lado errado.

Quem são aqueles indivíduos truculentos atacando a polícia, quebrando o prédio, ameaçando as pessoas? Professores? Black blocs infiltrados? Iniciado o conflito isso não interessa mais. Sobra bala de borracha, bomba, cassetete e mordida de cachorro para todos, como vimos ontem no Paraná, em Baltimore e em Katmandu. Não defendo a truculência policial, o que quero reiterar é que não importa se o governo é de direita, esquerda ou centro, na porrada o Estado sempre ganha. E os que defendem a ideia medieval de que o sangue – sempre dos outros – é a única forma de pressionar os poderosos, sabem disso e se apoderam dos movimentos legítimos das classes para trabalhar sorrateiramente por seus projetos de poder.

Há muito aprendemos que é o resultado estético da porrada que verdadeiramente interessa aos que provocam conflitos para defender suas agendas. A quem servem as imagens poderosas da professora sangrando, do jornalista mordido, das crianças tossindo com o gás? É possível permanecer indiferente a elas? Claro que não!

Passado o conflito, as redes sociais e a imprensa se dedicam furiosamente a falar da truculência da polícia, das pobres vítimas e do perverso governador, focando naquilo que se vê.

Mas a questão está no que não se vê.

Me responda então: a quem interessa a pedagogia da porrada?

Duvido que aos professores.