Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Por que eu?
Por que eu?
Ela foi a primeira mulher a assumir publicamente que ...

Ver mais

Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro. Isca intelectual de Luciano Pires ...

Ver mais

O véinho
O véinho
Isca intelectual de Luciano Pires que pergunta: que ...

Ver mais

Pluralidade narrativa 2
Pluralidade narrativa 2
Revendo uma Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta ...

Ver mais

538 – Caçadores da verdade perdida
538 – Caçadores da verdade perdida
Podcast Café Brasil 538 - Caçadores da verdade perdida. ...

Ver mais

537 – VAMO, VAMO CHAPE
537 – VAMO, VAMO CHAPE
Podcast Café Brasil 537 - Vamo,vamo, Chape. Este é um ...

Ver mais

536 – A política da pós-verdade
536 – A política da pós-verdade
Podcast Café Brasil 536 - A política da pós-verdade. ...

Ver mais

535 – Hallelujah
535 – Hallelujah
Podcast Café Brasil 535 - Hallelujah. Poucos dias atrás ...

Ver mais

LíderCast 050 – Bia Pacheco
LíderCast 050 – Bia Pacheco
LiderCast 050 - Hoje vamos conversar com Bia Pacheco, ...

Ver mais

LíderCast 051 – Edu Lyra
LíderCast 051 – Edu Lyra
LiderCast 051 - Hoje conversaremos com Edu Lyra, um ...

Ver mais

LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
Lídercast 049 - Neste programa Luciano Pires conversa ...

Ver mais

LíderCast 048 – Jonas e Alexandre
LíderCast 048 – Jonas e Alexandre
LiderCast 048 - Hoje recebemos o Jonas e o Alexandre, ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A carta que mudou a minha vida
Mauro Segura
Transformação
Mauro Segura conta em vídeo uma história pessoal, que teve origem numa carta recebida há 30 anos.

Ver mais

Tempo de escolher
Tom Coelho
Sete Vidas
“Um homem não é grande pelo que faz, mas pelo que renuncia.” (Albert Schweitzer)   Muitos amigos leitores têm solicitado minha opinião acerca de qual rumo dar às suas carreiras. Alguns ...

Ver mais

O caso é o caso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista ...

Ver mais

SmartCamp: as startups transformam o mundo
Mauro Segura
Transformação
Vivemos o boom das startups no Brasil e no mundo. O que está por trás disso? Mauro Segura esteve no SmartCamp, que é uma competição global de startups, e fez um vídeo contando a sua experiência.

Ver mais

A onda

A onda

Luciano Pires -

O que define “democracia” não é “a vontade da maioria”, mas é “poder discordar da maioria”. Se a discordância for feita dentro da lei, não há o que temer, ninguém será punido por pensar diferente.

No Brasil, há muito tempo assistimos ao domínio de pensamento, na academia, na política e na imprensa, daquela corrente que ainda é tratada como “esquerda”, ou numa tentativa de modernização, como “progressista”. São os progressistas que pautam as discussões no universo cultural brasileiro. De forma sistemática, planejada e minuciosa foram ocupando os espaços de discussão e aos poucos criaram uma visão hegemônica. No Brasil (sendo justo: no mundo!) o discurso é progressista, mesmo que a população seja conservadora.

E se você não se alinha ao pensamento progressista, você é do mal. Ponto.

A maioria desses progressistas jamais leu Marx e, quando leu, não entendeu, mas proliferaram e ocuparam todos os espaços. São os marquissistas. E assim professores-marquissistas, liguistas-marquissistas, advogados e juízes-marquissistas, jogadores de futebol-marquissistas, jornalistas-marquissistas, atores e atrizes-marquissistas, escritores-marquissistas, poetas-marquissistas, músicos-marquissistas, cineastas-marquissistas, blogueiros-marquissistas ocuparam posições de destaque de onde contaminaram as discussões. Sua influência pode ser vista na nova geração que povoa patéticos vídeos recheados de jovens artistas que pregam o progressismo inconsequente pelo Youtube, ou nas celebridades de internet que também em seus vídeos disseminam o que eu chamo de Teologia do Crioulo Doido, uma mistura de Karl Marx com o Chapolin Colorado.

As poucas vozes dissonantes, com visão liberal ou conservadora, foram aos poucos sendo caladas, perdendo seus canais de comunicação com o grande público, sendo ridicularizadas e quase desaparecendo. O adjetivo “de direita” passou a ser uma ofensa e muita gente, para não ser acusada de antiprogressista, portanto “do mal”, calou-se. E assim passaram-se 20, 30, 40 anos.

Mas o discurso progressista, que promete um céu que jamais chega, não tem sustentabilidade, e uma onda de velhas e novas vozes está (re)surgindo, trazendo a diversidade perdida de volta ao debate.

A nomes que resistiram praticamente sozinhos, como Olavo de Carvalho, Reinaldo Azevedo, Graça Salgueiro e Augusto Nunes, junta-se uma miríade de ex-progressistas, progressistas-racionais e liberais-progressistas, numa dança de cadeiras muito interessante. A Folha de São Paulo contrata Reinaldo Azevedo e Demétrio Magnolli como colunistas. A Veja contrata Rodrigo Constantino. A CBN vai de Fernando Gabeira e Marcelo Madureira. O letrista e escritor Nelson Motta reforça a visão liberal-conservadora em vários de seus textos. O roqueiro Lobão desponta, com livros e programas de entrevista na internet. O comediante Danilo Gentili se revela dono de uma visão liberal-conservadora surpreendente. E vem uma nova geração, com nomes como Luiz Felipe Pondé, Leandro Narloch, Guilherme Fiúza, Bruno Garschagen, Flavio Morgenstern, Paulo Eduardo Martins e Rachel Sheherazade opinando nas redes sociais e emissoras de televisão. Esses são os de que me lembrei assim, de bate-pronto. Existem muitos mais, além de sites como www.midiasemmascara.com.br, www.implicante.org, www.escolasempartido.com.br, http://notalatina.blogspot.com.br, www.mises.org.br, www.radiovox.org, etc.

Você pode odiar essa turma, achar que são dinossauros ou sentir a tentação de chamá-los pelo adjetivo burro da hora: fascistas. Mas eles são necessários. Quebram a hegemonia do discurso, criam as polêmicas e trazem aquilo que os progressistas juram defender: a diversidade.

Conviver com quem pensa diferente. Nem todo mundo consegue.

Luciano Pires