Artigos Café Brasil
É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

O Cagonauta
O Cagonauta
Isca intelectual de Luciano Pires. Se o seu chefe é um ...

Ver mais

Café Brasil Curto 04 – O preço da liberdade
Café Brasil Curto 04 – O preço da liberdade
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

Café Brasil Curto 03 – FISCALMENTE ILUDIDOS
Café Brasil Curto 03 – FISCALMENTE ILUDIDOS
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que não ...

Ver mais

Café Brasil Curto 02 – A FORMATURA
Café Brasil Curto 02 – A FORMATURA
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que quem ...

Ver mais

566 – Mindset
566 – Mindset
Podcast Café Brasil 566 - Mindset. Você já ouviu dizer ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Ainda sobre a competitividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ainda sobre a competitividade Algumas comparações “A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula.” Lee Iacocca Meu último ...

Ver mais

Faz isso não…
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Temer, ao contrário de Dilma, é um político experiente, com muitos anos de vivência no ramo. Daí o estranhamento acerca dos erros que vem cometendo, de forma infantil, na condução da política ...

Ver mais

Dukkha
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Isca intelectual de Filipe Aprigliano sobre a primeira nobre verdade.

Ver mais

O furo no casco
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Isca Intelectual de Filipe Aprigliano sobre definir prioridades na eventualidade da tomada do poder por psicopatas.

Ver mais

A onda

A onda

Luciano Pires -

O que define “democracia” não é “a vontade da maioria”, mas é “poder discordar da maioria”. Se a discordância for feita dentro da lei, não há o que temer, ninguém será punido por pensar diferente.

No Brasil, há muito tempo assistimos ao domínio de pensamento, na academia, na política e na imprensa, daquela corrente que ainda é tratada como “esquerda”, ou numa tentativa de modernização, como “progressista”. São os progressistas que pautam as discussões no universo cultural brasileiro. De forma sistemática, planejada e minuciosa foram ocupando os espaços de discussão e aos poucos criaram uma visão hegemônica. No Brasil (sendo justo: no mundo!) o discurso é progressista, mesmo que a população seja conservadora.

E se você não se alinha ao pensamento progressista, você é do mal. Ponto.

A maioria desses progressistas jamais leu Marx e, quando leu, não entendeu, mas proliferaram e ocuparam todos os espaços. São os marquissistas. E assim professores-marquissistas, liguistas-marquissistas, advogados e juízes-marquissistas, jogadores de futebol-marquissistas, jornalistas-marquissistas, atores e atrizes-marquissistas, escritores-marquissistas, poetas-marquissistas, músicos-marquissistas, cineastas-marquissistas, blogueiros-marquissistas ocuparam posições de destaque de onde contaminaram as discussões. Sua influência pode ser vista na nova geração que povoa patéticos vídeos recheados de jovens artistas que pregam o progressismo inconsequente pelo Youtube, ou nas celebridades de internet que também em seus vídeos disseminam o que eu chamo de Teologia do Crioulo Doido, uma mistura de Karl Marx com o Chapolin Colorado.

As poucas vozes dissonantes, com visão liberal ou conservadora, foram aos poucos sendo caladas, perdendo seus canais de comunicação com o grande público, sendo ridicularizadas e quase desaparecendo. O adjetivo “de direita” passou a ser uma ofensa e muita gente, para não ser acusada de antiprogressista, portanto “do mal”, calou-se. E assim passaram-se 20, 30, 40 anos.

Mas o discurso progressista, que promete um céu que jamais chega, não tem sustentabilidade, e uma onda de velhas e novas vozes está (re)surgindo, trazendo a diversidade perdida de volta ao debate.

A nomes que resistiram praticamente sozinhos, como Olavo de Carvalho, Reinaldo Azevedo, Graça Salgueiro e Augusto Nunes, junta-se uma miríade de ex-progressistas, progressistas-racionais e liberais-progressistas, numa dança de cadeiras muito interessante. A Folha de São Paulo contrata Reinaldo Azevedo e Demétrio Magnolli como colunistas. A Veja contrata Rodrigo Constantino. A CBN vai de Fernando Gabeira e Marcelo Madureira. O letrista e escritor Nelson Motta reforça a visão liberal-conservadora em vários de seus textos. O roqueiro Lobão desponta, com livros e programas de entrevista na internet. O comediante Danilo Gentili se revela dono de uma visão liberal-conservadora surpreendente. E vem uma nova geração, com nomes como Luiz Felipe Pondé, Leandro Narloch, Guilherme Fiúza, Bruno Garschagen, Flavio Morgenstern, Paulo Eduardo Martins e Rachel Sheherazade opinando nas redes sociais e emissoras de televisão. Esses são os de que me lembrei assim, de bate-pronto. Existem muitos mais, além de sites como www.midiasemmascara.com.br, www.implicante.org, www.escolasempartido.com.br, http://notalatina.blogspot.com.br, www.mises.org.br, www.radiovox.org, etc.

Você pode odiar essa turma, achar que são dinossauros ou sentir a tentação de chamá-los pelo adjetivo burro da hora: fascistas. Mas eles são necessários. Quebram a hegemonia do discurso, criam as polêmicas e trazem aquilo que os progressistas juram defender: a diversidade.

Conviver com quem pensa diferente. Nem todo mundo consegue.

Luciano Pires