Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

675 – Homem na lua
675 – Homem na lua
Em 20 de Julho de 1969 uma nave feita pelo homem pousou ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

LíderCast 162 – Aldo Pini
LíderCast 162 – Aldo Pini
Ex-diretor de planejamento da agência África, que ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2019
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2019 Memoráveis citações “O Brasil é um país onde você passa quinze dias fora e muda tudo, mas passa quinze anos fora e não muda nada.” Cássio Casseb  “Quando alguém tem ...

Ver mais

O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina?
Carlos Nepomuceno
O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina? Live completa.

Ver mais

Ni nóis não
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A história todo mundo conhece, pelo menos no enredo do samba: Criminosos de extenso currículo (estelionatários, ladrões, traficantes) foram contratados para espionar telefones privados de ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Agrotóxicos são a bola da vez. Da forma como é ...

Ver mais

Cafezinho 200 – Food For Fish
Cafezinho 200 – Food For Fish
"Food for fish"- Comida Pra peixe - é uma expressão que ...

Ver mais

A Oficina

A Oficina

Luciano Pires -

Passeando por Recife fui conhecer a Oficina Brennand. Os Brennand são uma família rica e Francisco – que se revelou um talentoso desenhista, pintor, escultor e ceramista – dedicou-se por mais de 30 anos a um sonho. Transformou a velha olaria que seu pai fundou em 1917 num complexo artístico chamado Oficina Brennand. Saí de lá sem fôlego… A velha olaria arruinada foi aos poucos reformada. Muitas áreas ainda mostram o estado de abandono original, mas agora – qual uma ruína grega – é um abandono conservado, como que para servir de testemunha da história. Francisco Brennand é chamado de “Mestre dos Sonhos”.
Sua oficina é gigantesca: são mais de 10 mil metros quadrados de grandes áreas de exposição com centenas de esculturas, uma mais instigante que a outra. São sonhos, pesadelos, piadas, críticas, símbolos fálicos, formas eróticas em meio a jardins projetados por Burle Marx. No meio da oficina, uma capela sombria. Em seu interior um ambiente sagrado, com música clássica ao fundo e nenhuma imagem sacra. Nenhuma cruz. Nenhum anjo. Nenhuma santa. Nenhum cálice. Apenas esculturas, formas orgânicas, objetos indefiníveis. Fascinante! O sagrado está lá, na atmosfera, sem precisar de ícones.
Brennand está com oitenta anos e isso fica claro quando apreciamos sua produção. Naquele lugar uma vida se apresenta diante de nós. Só o tempo permite construir algo como o que vi por lá. A integração perfeita entre arquitetura, paisagismo, escultura, pintura, desenho… A oficina de Francisco Brennand é uma demonstração de como a sensibilidade pode mudar a realidade. Caminhando pelos corredores, a mente entra em ebulição. Ganha um sopro de frescor. A oficina de Brennand é um spa mental. Saímos de lá provocados, motivados, inspirados, com a sensação de que estivemos em outro planeta. O planeta Brennand. O arquiteto Fernando de Barros Borba definiu com perfeição a arte de Brennand: “…Mas para quê descrever? Palavra alguma pode dizer a arte de Brennand. A literatura é inútil. Ele escreve com a cerâmica”.
Quer ver? Acesse www.brennand.com.br e tente descrever o que vê…
Pois é… Saí de lá embriagado de arte, em direção à loja-lanchonete, cuja decoração segue a do conjunto. Pedi uma deliciosa empadinha, um suco diferente, comprei um catálogo maravilhoso, uma peça de cerâmica e sentei-me para curtir o que acabara de ver. 
E então percebi que algo estava errado.


No espaço daquela lanchonete bonita, onde a arte comanda a arquitetura, as garçonetes colocaram como trilha sonora um disco de pagode. Fui escarrado para fora do planeta Brennand, direto para o Brasil. Pagodinho enjoativo, insuportável pagodinho. Daqueles gravados ao vivo com o povo cantando junto. Se fosse o Pagode – com “Pê” maiúsculo – do grupo Fundo de Quintal… Mas não. Era um daqueles conjuntinhos de acrílico… Aquilo foi uma heresia. Fui falar com a gerente e ela me disse tristemente:

– Cuido da loja, não cuido da lanchonete. E esse som, quem coloca são as meninas de lá. É um horror…

Pronto. Lá estava eu mais uma vez diante da contradição chamada Brasil. De um lado a arte em sua mais pura expressão, tocando nossas almas. De outro, escolhido pelo “povo”, o comércio das gravadoras, distorcendo e explorando a arte em seu mais baixo nível. Um retrato do Brasil. Mas como “sou elite”, tenho que cuidar para evitar esse meu “preconceito contra o popular”…
Olha, nada disso tira o brilho do que vi em Recife. Estando por lá, não perca a oportunidade de visitar a Oficina Brennand e abrir sua alma para a sublime experiência da arte.
E o pagode? Bem, talvez essa praga um dia desapareça, esgotada em sua mediocridade. Mas o gênio de Francisco Brennand, lá em Recife, ficará. Mas ficará para poucos. Para uma elite. O povo estará mais atento ao pagode. É pra isso que ele está sendo treinado.