Artigos Café Brasil
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

710 – Todo mundo junto
710 – Todo mundo junto
Cara... que tempo louco estamos vivendo, não é? E no ...

Ver mais

709 – Sobre perguntas
709 – Sobre perguntas
O Sandro Magaldi e o José Salibi Neto são dois ...

Ver mais

708 – Manifesto do Educador Honesto
708 – Manifesto do Educador Honesto
Afinal de contas, o que é um educador? É uma professora ...

Ver mais

707 – O benefício da dúvida – Revisitado
707 – O benefício da dúvida – Revisitado
O programa de hoje é a revisita a um episódio publicado ...

Ver mais

LíderCast 192 – Eduardo Villela
LíderCast 192 – Eduardo Villela
Homem dos livros, mas de fazer livros. Com extensa ...

Ver mais

LíderCast 191 – Giovani Colacicco
LíderCast 191 – Giovani Colacicco
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da ...

Ver mais

LíderCast 190 – Alcides Braga
LíderCast 190 – Alcides Braga
De office boy a dono da Truckvan, uma história ...

Ver mais

LíderCast 189 – Deborah Alves
LíderCast 189 – Deborah Alves
Jovem empreendedora, formada em Ciência da Computação e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Aprenderemos algo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sim… afinal, não é possível que atravessemos esse inferno “coronário” sem tirar algum ensinamento, alguma aprendizagem, disso tudo. No caso do brasileiro, alguma disciplina e respeito, e já ...

Ver mais

Liga e desliga
Chiquinho Rodrigues
Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela ...

Ver mais

Vivendo e aprendendo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vivendo e aprendendo  Lições da quarentena “Vivendo e aprendendo a jogar Vivendo e aprendendo a jogar Nem sempre ganhando Nem sempre perdendo Mas, aprendendo a jogar.” Guilherme Arantes O mundo ...

Ver mais

Analogias inusuais
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Analogias inusuais  Para desenvolver a criatividade… e para entender as crises econômicas “Para os historiadores cada evento é único. Os economistas, entretanto, sustentam que as forças da ...

Ver mais

Cafezinho 268 – Skin In The Game
Cafezinho 268 – Skin In The Game
Faça o exercício de imaginar que decisão você tomaria ...

Ver mais

Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Escolha bem suas conexões para não infectar também a mente.

Ver mais

CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
Neste momento em que para deter uma epidemia os ...

Ver mais

Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Vamos combater o novo Coronavirus com Fitness Intelectual.

Ver mais

A nomenklatura e o mensalão

A nomenklatura e o mensalão

Luciano Pires -

Logo após o surgimento da União Soviética em 1922, Vladimir Lenin definiu os atributos das pessoas que poderiam ser apontadas para cargos de direção no governo soviético: confiabilidade, atitude política, qualificações profissionais e habilidade administrativa. E, evidentemente, filiação ao Partido Comunista. Assim, montava-se uma lista de candidatos que recebia o nome de Nomenklatura, do latim Nomenclatura, que quer dizer “lista de nomes”. Até os anos oitenta, quando Mikhail Gorbachev conduziu as reformas que implodiram a União Soviética, ser Nomenklatura significava pertencer a uma elite poderosa, que decidia em muitos casos até mesmo sobre a vida e morte das pessoas, e que gozava de benefícios com os quais o cidadão comum nem mesmo podia sonhar. A Nomenklatura era, assim, uma nova classe social, privilegiada, invejada, poderosa e organizada.

Para ascender dentro da Nomenklatura o indivíduo precisava ter um padrinho. Em retribuição, o promovido mantinha as políticas do padrinho. Essa relação de dependência dava à Nomenklatura a homogeneidade de adoção de regras que foi fundamental à manutenção da política de ferro e fogo da União Soviética.

A elite da Nomenklatura tinha abaixo de si os “apparatchik”, os “agentes do aparato”, indivíduos que desempenhavam tarefas burocráticas nos níveis mais baixos, de não liderança. Não eram pessoas especialmente habilidosas nas tarefas para as quais eram apontadas, pois suas nomeações atendiam interesses políticos. O resultado foi a caríssima, imensa, quase inexpugnável burocracia soviética, repleta de puxa-sacos e que, entre outros problemas, funcionava como um estado policial. “Cuidado com o que você diz. Seu vizinho pode ser um apparatchik e você vai dançar”. Naquela União Soviética, ser Nomenklatura ou apparatchik era dureza. Cair em desgraça era ser apagado da história. Literalmente.

Quando Gorbachev tentou reformar o estado, o castelo soviético ruiu, deixando viúvas por todo o mundo. Especialmente na América do Sul.

Bem, mas o que é que o mensalão tem a ver com isso? É simples. Troque “União Soviética” por “PT” e “soviético” por “petista”, e você verá que o modelo é o mesmo: uma elite de dirigentes cheia de privilégios, apadrinhamento, indicações políticas, apparatchik, burocracia e um estado cada vez mais gordo e ineficiente. Mas diferente da União Soviética de Lenin, Stálin, Krushev e Brezhnev, aqui os poderosos podem bastante, mas não podem tudo. Nas democracias existem outros poderes, existe ainda alguma liberdade, existe uma constituição.

E não é que membros importantes da Nomenklatura petista foram condenados à prisão? Vê-los de braço erguido e com o punho cerrado naquela famosa saudação socialista, deixou os apparatchiks assanhados, disparando para todos os lados. Mas eles deviam é estar comemorando. Tivessem sido condenados naquela União Soviética, ou Cuba, ou Coréia do Norte, provavelmente Dirceu, Genoíno e Delúbio seriam despachados para um Gulag. Ou fuzilados.

Mas aqui é o país tropical, do homem cordial. Logo mais estarão livres, leves e soltos, tratados como heróis da resistência e de volta à ação.

No Brasil, ser Nomenklatura é moleza.

Luciano Pires