Artigos Café Brasil
Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

A “Netflix de Conteúdo”
A “Netflix de Conteúdo”
Surge o Café Brasil Premium, uma espécie de "Netflix do ...

Ver mais

OrgulhoDeSerCorrupto
OrgulhoDeSerCorrupto
Isca intelectual de Luciano Pires. Neste Brasil ...

Ver mais

O moço do Uber
O moço do Uber
Isca intelectual de Luciano Pires relatando uma ...

Ver mais

558 – O Café Brasil Premium
558 – O Café Brasil Premium
Podcast Café Brasil 558 - O Café Brasil Premium. No ...

Ver mais

557 – Três princípios para falar de Justiça
557 – Três princípios para falar de Justiça
Podcast Café Brasil 557 - Três princípios para falar de ...

Ver mais

556 – Certos abraços – Revisitado
556 – Certos abraços – Revisitado
Podcast Café Brasil 556 - Certos abraços - Revisitado. ...

Ver mais

555 – Uma proposta para reforma da Previdência
555 – Uma proposta para reforma da Previdência
Podcast Café Brasil 555 - Uma proposta para transformar ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

LíderCast 065 – Antonio Carlos Sartini
LíderCast 065 – Antonio Carlos Sartini
Hoje recebo Antonio Carlos de Moraes Sartini, Bacharel ...

Ver mais

LíderCast 064 – Luiz Henrique Romagnoli
LíderCast 064 – Luiz Henrique Romagnoli
Hoje recebo o Roma, Luiz Henrique Romagnoli, que faz ...

Ver mais

LíderCast 063 – Diogenes Lucca
LíderCast 063 – Diogenes Lucca
Hoje converso com Diogenes Luca, fundador e ex-comando ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Champagne a 21 mil dólares: como funciona a melhor balada de Hollywood
Raiam Santos
Se você tá chegando agora nesse humilde site, bem vindo! Meu nome é Raiam Santos, vivo de escrever livros, não levo minha vida muito a sério e gosto de fazer uns “experimentos ...

Ver mais

Uma nova vida em dois anos
Tom Coelho
Sete Vidas
“Semeia um pensamento, colhe um ato; semeia um ato, colhe um hábito; semeia um hábito, colhe um caráter; semeia um caráter, colhe um destino.” (Marion Lawense)   A vida me tem sido um ...

Ver mais

Quando sucesso e dinheiro não resolvem teu problema
Raiam Santos
Esse aqui é um post que foge um pouco da pegada recente aqui do MundoRaiam.com. Hoje não tem Fiverr, não tem audiolivros, não tem viagem pra Ásia e nem experimento social. Acho que nunca escrevi ...

Ver mais

Duas listas diferentes
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Já assistiu A Lista de Schindler? Não? Assista, é excelente. Já viu? Veja de novo. Uma das cenas mais tocantes é a da elaboração da lista de pessoas que o protagonista pretende “comprar” do ...

Ver mais

A Melô Do Sarney

A Melô Do Sarney

Luciano Pires -

Quem segue meu trabalho sabe que gosto de usar humor para tratar de coisas sérias. Cinco anos atrás decidi optar pela velha arma da paródia, da animação, da música e das imagens para distribuir algumas críticas pela internet. Nada que gerasse grandes mudanças, mas pequenas alfinetadas que devem doer muito em quem veste a carapuça. Foi assim que nasceu a série de Melôs: a Melô do Pocotó, a Melô do Congresso, a Melô da Eleição, a Melô do Mensalão e o O Funk dos Burrão. São pequenos vídeos que você encontra em meu site para assistir, baixar e distribuir: www.lucianopires.com.br/video/<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-comfficeffice” />



 Pois bem, o processo de produção dessas melôs só tem uma regra: inspiração. Quando a reflexão sobre um tema chega ao ponto, a música e o começo da letra surgem como que por milagre <?xml:namespace prefix = st1 ns = "urn:schemas-microsoft-comffice:smarttags” />em minha mente. Aí é pesquisar, burilar, escrever e reescrever. Depois aciono uma excepcional rede de colaboradores para produzir a parte musical, a coreografia e animação dos bonecos, a filmagem e edição. E sempre acontece uma coisa fantástica: todos se divertem. Muito.
Já disseram que isso é coisa de brasileiro, um povo com capacidade infinita de rir de suas mazelas. Pois acho que isso é positivo. Só falta – depois de rir – tomar alguma providência, não é?



 Pois então. Ficou pronta uma nova melô. A Melô do Sarney, claro. Esse é o grande tema que domina o terceiro trimestre deste ano, revelando ao Brasil a infinita capacidade que o poder tem de atrair. Inebriar. Cegar. Corromper.



Mas não quero ser mais um a discutir esse tema. Prefiro recorrer a Willian Shakespeare que demonstrou sua genialidade ao esgotar o assunto numa frase: “A politica está acima da consciência.”



 Minha contribuição à discussão está abaixo e no link http://bit.ly/197KWH . A melodia é de “Bastidores” de Chico Buarque. A esculhambação da letra é minha. Arranjos e interpretação de Sérgio Sá. Coreografia e manipulação dos bonecos pela Cia Truks. E produção de vídeo pela Casa de Vídeo, com sonoplastia de Lalá Moreira.



Mostrei para um amigo bem mais velho e conservador que disse: “isso é molecagem”. Foi quando tive certeza de que a Melô estava pronta.



Com vocês, a MELÔ DO SARNEY



 



Chorei, chorei



Até ficar com dó de mim



E me tranquei no camarim



Tomei o calmante, o excitante



E um bocado de gim



 



Amaldiçoei



O dia em que te conheci



Ocê chegô do Maranhão



Com um bigodão



O jaquetão, os filhão, o mãozão



 



Sarney, Sarney



Porque é que ocê faz assim?



Foi censurar o Estadão



E botou o suplente



A caçoar de mim



 



Nem vou piscar



Na hora que eu for votar



Votar pra me certificar



Que ocê nunca mais vai voltar,



Vai voltar, vai voltar



 



Sarney, Sarney



Até o Collor disse sim



E o dedo sujo do Renan



Tremo de pensar



Que vai encostar em mim



 



Lá no Amapá



Tem gente que não qué ocê lá



Também não qué no Maranhão



Nem no Piauí, Ceará,



Tocantins, ou Pará



 



Sarney, Sarney



Tem pena do meu dinheirim



Só sei que todos os mané



Vão aplaudir de pé



Quando chegar o fim



 



Sarney, Sarney



Se ocê ficar, tem dó de mim