Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

593 – Chororô
593 – Chororô
Uma das reações mais lindas do ser humano tem sido ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Cafezinho 35 – Pocahontas
Cafezinho 35 – Pocahontas
Geração não é horóscopo. É contexto.

Ver mais

Cafezinho 34 – Os filtros
Cafezinho 34 – Os filtros
Filtre 2018. E faça dele um ano feliz.

Ver mais

A guerra dos asnos

A guerra dos asnos

Luciano Pires -

Coloquei no ar dois podcasts tratando de violência urbana, mais especificamente sobre a maioridade penal, como parte de uma série de quatro programas. Já antevendo a reação às minhas opiniões que são a favor da redução da maioridade penal, entre outras medidas, no final do primeiro programa, Bandido Bom é Bandido… (que você pode ouvir aqui: http://bit.ly/15E0ihy) eu disse assim:

“Que tal escrever na área de comentários suas sugestões? Resista à tentação de me xingar de ignorante ou reacionário. Em vez disso tente colocar argumentos e alternativas para enfrentar a crise. Não xingue, argumente. Eu sei que é difícil, mas só assim o mundo anda.”

Pois bem. O primeiro comentário que recebi, minutos depois de publicar o programa, veio pelo Facebook: “Reacionário”. E em seguida outro comentário, elaborado, reunindo uma série de argumentos para me chamar de reacionário… Nenhuma sugestão diferente, nenhuma contestação à argumentação, nenhuma alternativa, apenas a tentativa de me desqualificar: sou reacionário, portanto minhas ideias não podem ser consideradas, não tem mérito, são o atraso.

Essa é a grande herança invisível do governo “progressista” que tomou o estado de assalto no começo do milênio: não existe mais troca de ideias, existe o confronto. Sou seu inimigo, pois sou branco, você é negro. Sou índio, você é “civilizado”. Sou cristão, você é ateu. Sou hetero, você é homo. Sou ignorante, você é letrado. Sou rico, você é pobre. Sou homem, você é mulher. Sou gordo, você é magro. Sou contra, você é a favor.

A nação da intolerância com quem pensa diferente.

Estamos sendo treinados a julgar e condenar com base na interpretação imediatista dos argumentos de quem pensa diferente da gente. Sem mergulhar fundo, sem buscar compreender os valores e convicções dos outros. Me espanta a virulência dos ataques de quem, até eu manifestar uma opinião contrária, me admirava.

“Pô, acho esse cara aparentemente inteligente, articulado! Como é que pode pensar o oposto do que eu penso?”. Isso provoca um conflito, até por abalar as crenças da pessoa, o que é um perigo! E a reação vem como pode: a maioria com agressividade. Quem tem o foco permanentemente na intolerância com a diferença, sente medo e sensação de perigo, e então se junta a quem pensa parecido e… ataca. Se possível para exterminar a ameaça.

Bertand Russel dizia que “O medo coletivo estimula o instinto de manada, e tende a produzir a ferocidade contra aqueles que são considerados não membros do grupo.” Isso é absolutamente normal, previsível, no contexto do Game Of Thrones, MMA e outros exemplos de confronto físico para se sobrepor ao inimigo. Mas no campo das ideias, é apenas burrice.

Não quero que você concorde comigo. Não quero seguidores. Não quero os “sim senhor”. Quero gente que se importe, que pense e que contribua para me ajudar a sair da ignorância. E isso não se faz na porrada, no xingamento, no conflito.

Uma nação movida pelo confronto só tem olhos para a guerra.

Uma guerra de asnos.

Luciano Pires