Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

A Grande Festa

A Grande Festa

Luciano Pires -

Em minha palestra “”O Meu Everest””descrevo tudo que precisei fazer para realizar o sonho de minha vida: chegar o mais próximo possível da maior montanha do mundo.

Começo a palestra falando de minha infância em Bauru, em 1963, e dos sonhos de uma criança com seis anos de idade. Depois vou caminhando pelo tempo, contando da fascinação pelos aventureiros, do encontro com o Everest ao assistir um documentário e do processo de pesquisa, descobertas e preparação para a viagem da minha vida.

É uma história divertida e repleta de lições, que tem seu ponto culminante o momento em que – depois de nove dias de caminhada – chego aos 5.350 metros de altura do Campo Base do Everest. Uma vitória.

Então apresento uma série de fotos do acampamento e brinco com a platéia:

– Ao ver essas fotos vocês provavelmente me farão uma pergunta: “É isso? O que é que tem lá?”

– Pedras.

– O que mais?

– Gelo!

– Dá pra ver o Everest?

– Não!

– Como assim? Você saiu da sua casa, foi pro fim do mundo, correu risco de vida, passou frio pra ver uma pedreira? Você é maluco?

As pessoas não entendem… O Campo Base do Everest tinha muito pouco a oferecer. Na verdade ele serviu mesmo foi para apontar a direção, para ajudar a calcular quanto tempo levaria a caminhada. Ele possibilitou que eu fizesse um plano. O Campo Base era a materialização de meu sonho. Mas as pessoas pensam que fui para lá por causa dele. Não fui.

Minha viagem começou em 1963 e só vai terminar quando eu morrer. Tudo que aconteceu antes, durante e depois é o que realmente importa. “O meu Everest” é um processo de transformação, que me fez uma pessoa diferente. O Campo Base era só um detalhe. Mas é só o que a maioria das pessoas consegue ver…

Bem, conquistamos o direito de organizar a Olimpíada de 2016 no Brasil. Pessoalmente acho que temos outras prioridades nas quais aplicar os milhões que o evento exigirá, mas o que está feito, está feito e fiquei feliz.

Agora é fazer direito.

Minha preocupação – à parte as questões da corrupção, incompetência, intenções eleitoreiras e conchavos – é que os responsáveis tratem a Olimpíada como as pessoas tratam a minha viagem: de olho apenas no objetivo tangível.

Organizar a Olimpíada exigirá um grau de profissionalismo como raramente demonstramos antes, mas daremos um jeito. O importante é que os jogos não podem ser vistos apenas como “os jogos”. Tudo que acontecerá até, durante e depois deles é o que importa. Os jogos em si serão apenas um detalhe – se quisermos que a Olimpíada seja realmente um ponto de inflexão na curva de amadurecimento do Brasil.

Mas será que a turma do curto prazo tratará os jogos como um fim, não como um processo? Focará na construção de obras sem planejar sua sustentabilidade? Usará os atletas, descartando-os em seguida até a próxima Olimpíada?

Será que no dia seguinte o Brasil tirará a fantasia e voltará ao que era antes?

Se assim for, não teremos aprendido nada. Perderemos a oportunidade de usar a Olimpíada para transformar o Brasil. Como aconteceu no Pan do Rio, apenas mostraremos ao mundo que somos bons de festa.

Isso é muito pouco.