Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

2016 – Que ano!
2016 – Que ano!
Hora de parar e olhar pra trás pra ver o quanto ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Que grandeza…
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de ...

Ver mais

Vendedores debruçados ou conversando
Suely Pavan Zanella
Iscas Comportamentais
Isca intelectual de Suely Pavan que tenho observado uma postura comum em lojas e supermercados: vendedores debruçados em balcões ou reclamando pelos corredores.

Ver mais

A Escassez

A Escassez

Luciano Pires -

Quando deixei a Dana, empresa onde trabalhei por 26 anos, para dedicar-me a projetos de internet, radio, palestras e edição de livros, mergulhei no mundo dos empreendedores. Escrevi na época um texto chamado “Sobre Canários e Sabiás” onde eu comparava a segurança do canário (o executivo) preso na gaiola, com a liberdade do sabiá (o empreendedor) que podia voar para onde quisesse.

Passados doze meses, creio que dá para fazer uma avaliação do vôo do sabiá.

Bem, tudo começa com uma embriaguez de liberdade. Não é mais preciso estar no lugar tal na hora tal todo dia. Não é mais preciso enfrentar um trânsito infernal para ir trabalhar. Não é preciso mais fazer papel de bobo da corte na comédia corporativa. Não é preciso mais mandar aquele relatório que os gringos acabam de pedir e que tem que ser entregue em duas horas. Não é preciso usar terno e gravata. A agenda é sua e você faz o que quiser com ela.

Não encontro outro termo: embriaguez. Você fica embriagado com a liberdade e as primeiras semanas são caóticas. É outra dinâmica, outro mundo.

Então você começa a tomar contato com outras culturas, diferentes daquela onde você atuou durante anos. E descobre que em muitos aspectos você está anos luz à frente de empresas que você sempre admirou. Descobre que os problemas se repetem não importa em que ramo de atividades você atue.

Então vem a percepção da perda do sobrenome corporativo. Você não é mais o “Luciano da Dana”. Agora você é um Luciano qualquer, um mané que vai experimentar as cadeiras das salas de espera. Descobrirá que já não tem tantos amigos como parecia. Eu já tinha me preparado para isso, pois havia conversado com muitos ex-executivos que mudaram para sabiá. Mas nunca me preparei para a morte do que chamo de “etiqueta corporativa”. Dei de cara com a falta de educação que tomou conta do mercado. Os contatos pessoais onde a gentileza e o apreço são cultivados praticamente desapareceram, principalmente nos níveis intermediários das empresas. Como sabiá você passa a ser recebido pelo sub do sub do sub. Gente até esforçada, mas com capacidade zero como interlocutor numa discussão estratégica. O máximo que essa gente consegue é discutir ações táticas, desde que sejam familiares.

E-mails não são respondidos, telefonemas não são retornados, horários de reuniões não são respeitados, promessas não são cumpridas, prazos não são obedecidos. Tá certo, como diriam os gringos: “s hit happens”. Mas quando o normal é que ninguém mais tenha educação ao menos para retornar dizendo “não interessa”, a coisa está mal.

Olhar as grandes corporações de fora, como fornecedor, tem sido um exercício fascinante. Discurso para um lado, ação para outro. Processos criados para melhorar as coisas e que apenas complicam e encarecem. Jovens com MBA e falando três idiomas, mas incapazes de diferenciar o importante do urgente. Medo generalizado destruindo qualquer iniciativa de inovação. Eu quero é preservar o meu…

Confesso que esse cenário este sabiá novato não esperava. Mas o vôo está apenas começando.

Meu maior desafio dos últimos 12 meses tem sido lidar com a escassez de educação, polidez, gentileza, apreço, atenção e respeito.

Coisas que ninguém aprende na escola.