Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

O Trivium – Capítulo 1
Alexandre Gomes
Lembra do que foi dito no primeiro texto sobre as sete Artes Liberais? Pois bem, a Irmã Miriam Joseph expõe da maneira dela, e isso pode ajudar a entender o que foi dito antes. Bom, primeiro as ...

Ver mais

Da cor do racismo ESPANHOL
Jota Fagner
Origens do Brasil
Compartilho com vocês o depoimento de uma amiga, conterrânea, que foi discriminada ao tentar entrar na Espanha. A metodologia aplicada  para decidir quem pode e quem não pode entrar  parece de um ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Não enxergar o que Temer fez de bom foi uma escolha à ...

Ver mais

Cafezinho 139 – O que não se vê
Cafezinho 139 – O que não se vê
Se o IVA passar pelo Inferno de Dante do Congresso, ...

Ver mais

A Escassez

A Escassez

Luciano Pires -

Quando deixei a Dana, empresa onde trabalhei por 26 anos, para dedicar-me a projetos de internet, radio, palestras e edição de livros, mergulhei no mundo dos empreendedores. Escrevi na época um texto chamado “Sobre Canários e Sabiás” onde eu comparava a segurança do canário (o executivo) preso na gaiola, com a liberdade do sabiá (o empreendedor) que podia voar para onde quisesse.

Passados doze meses, creio que dá para fazer uma avaliação do vôo do sabiá.

Bem, tudo começa com uma embriaguez de liberdade. Não é mais preciso estar no lugar tal na hora tal todo dia. Não é mais preciso enfrentar um trânsito infernal para ir trabalhar. Não é preciso mais fazer papel de bobo da corte na comédia corporativa. Não é preciso mais mandar aquele relatório que os gringos acabam de pedir e que tem que ser entregue em duas horas. Não é preciso usar terno e gravata. A agenda é sua e você faz o que quiser com ela.

Não encontro outro termo: embriaguez. Você fica embriagado com a liberdade e as primeiras semanas são caóticas. É outra dinâmica, outro mundo.

Então você começa a tomar contato com outras culturas, diferentes daquela onde você atuou durante anos. E descobre que em muitos aspectos você está anos luz à frente de empresas que você sempre admirou. Descobre que os problemas se repetem não importa em que ramo de atividades você atue.

Então vem a percepção da perda do sobrenome corporativo. Você não é mais o “Luciano da Dana”. Agora você é um Luciano qualquer, um mané que vai experimentar as cadeiras das salas de espera. Descobrirá que já não tem tantos amigos como parecia. Eu já tinha me preparado para isso, pois havia conversado com muitos ex-executivos que mudaram para sabiá. Mas nunca me preparei para a morte do que chamo de “etiqueta corporativa”. Dei de cara com a falta de educação que tomou conta do mercado. Os contatos pessoais onde a gentileza e o apreço são cultivados praticamente desapareceram, principalmente nos níveis intermediários das empresas. Como sabiá você passa a ser recebido pelo sub do sub do sub. Gente até esforçada, mas com capacidade zero como interlocutor numa discussão estratégica. O máximo que essa gente consegue é discutir ações táticas, desde que sejam familiares.

E-mails não são respondidos, telefonemas não são retornados, horários de reuniões não são respeitados, promessas não são cumpridas, prazos não são obedecidos. Tá certo, como diriam os gringos: “s hit happens”. Mas quando o normal é que ninguém mais tenha educação ao menos para retornar dizendo “não interessa”, a coisa está mal.

Olhar as grandes corporações de fora, como fornecedor, tem sido um exercício fascinante. Discurso para um lado, ação para outro. Processos criados para melhorar as coisas e que apenas complicam e encarecem. Jovens com MBA e falando três idiomas, mas incapazes de diferenciar o importante do urgente. Medo generalizado destruindo qualquer iniciativa de inovação. Eu quero é preservar o meu…

Confesso que esse cenário este sabiá novato não esperava. Mas o vôo está apenas começando.

Meu maior desafio dos últimos 12 meses tem sido lidar com a escassez de educação, polidez, gentileza, apreço, atenção e respeito.

Coisas que ninguém aprende na escola.