Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 29 – O menos ruim
Cafezinho 29 – O menos ruim
Comece a reparar nos discursos que você faz e ouve ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

A dissonância cognitiva

A dissonância cognitiva

Luciano Pires -

Quando uma autoridade reconhecida pelo povo se comporta de forma irracional, fazendo com que tentemos conciliar mentalmente a autoridade de direito com a irracionalidade de seu comportamento, temos duas opções. Ou desistimos e nos desinteressamos da política, ou construímos uma concepção de mundo que tente assimilar o contraditório da ação da autoridade, sem pirar. Para isso abrimos mão da lógica e damos pedaladas no discurso político até que a contradição da autoridade seja relegada para um plano invisível, normalmente o das ideologias. É especialmente então que surge o duplopensar ou duplipensar, o ato de se ter duas crenças contraditórias e aceitar ambas como verdade.

A isso damos o nome de dissonância cognitiva.

Dissonância tem a ver com falta de harmonia. Na música, por exemplo, é um conjunto de sons que destoam.  Já o “cognitiva” vem de cognição, que é o processo de aquisição do conhecimento, envolvendo os processos mentais que influenciam o comportamento de cada indivíduo.

Dissonância cognitiva então é uma falta de harmonia na forma como você trata a aquisição e processamento de informações, e se manifesta pela sensação desagradável de conviver com duas ideias contraditórias ao mesmo tempo. Sabe aquele desconforto quando você senta para jantar, olha aquele franguinho a passarinho que sua mãe preparou com tanto carinho e lembra do documentário sobre matadouros de animais? Pois é. Dissonância cognitiva.

É a teoria da dissonância cognitiva que explica porque tanta gente cai em golpes manjados. Lembra daquela oferta que chega por e-mail com um preço inacreditável? Aquele investimento que dá taxas de retorno fabulosas? Aquela proposta de curso que, se você fizer, ficará rico? Diante da perspectiva de ganho rápido ou fácil, a suspeita de que a proposta possa ser irreal, ilegal ou desonesta fica para trás. Em dissonância cognitiva, o trouxa faz a opção psicológica de correr o risco.Os psicólogos chamam essa vulnerabilidade de “suspensão voluntária da incredulidade”.

Depois do prejuízo, criamos todo tipo de desculpa para justificar a escolha desastrada…

No marketing político então… repare na estética, no discurso, no conteúdo. A intenção é criar na sua cabeça a dissonância cognitiva, a ideia de que você votou no político errado, que aquele que está na tela é o que tem as melhores soluções. Viu, seu trouxa? Aí você fica com aquela sensação de que votou errado… e sai à cata das explicações que darão alívio psicológico.

A maioria das pessoas combate a dissonância cognitiva evitando-a. Quando alguém aparecer com a informação dissonante, o mais fácil é ignorar, se negar a aceitar.

Vivemos num mundo repleto de contradições, a dissonância cognitiva vem de todos os lados. Não parece que o Brasil é uma gigantesca dissonância cognitiva? Por todo lado manifestações repletas de afirmações absolutas como  “todo mundo”, “sempre”, “ninguém”, “nunca”, todas como conclusão genéricas de algum incidente em particular ou alguma evidência solitária. Um caso seletivamente escolhido serve como bandeira para a generalização. E dá-lhe dissonância cognitiva.

Sabe o resultado? Desaprendemos a manifestar nossas dúvidas, a usar “talvez”, “alguns”, “a maioria”, ” a minoria” e assim proporcionar o bom debate, evitando os malefícios da generalização. O resultado das contradições diárias às quais estamos expostos, quado respondemos com generalizações e afirmações absolutas é o surgimento dos justiceiros sociais exibindo virtudes, princípios, credos e valores morais que na verdade não possuem.

Pratica-se a censura para garantir a liberdade de opinião. Mata-se em nome da paz. Rouba-se em nome da justiça social. Agride-se em nome da democracia. Quebra-se a Constituição em nome da segurança jurídica.

Dizem uma coisa e agem ao contrário.

É isso a dissonância cognitiva? Não. Dissonância cognitiva é só o gatilho.

O nome disso é hipocrisia.

Convido você a ouvir mais sobre Dissonância Cognitiva no Podcast Café Brasil 508 : http://www.portalcafebrasil.com.br/podcasts/508-a-dissonancia-cognitiva/