Artigos Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

A descoberta

A descoberta

Luciano Pires -

Após uma de minhas palestras, perguntaram como cheguei na posição de Diretor de uma grande empresa. Lembrei da lenda que conta que, saindo de Portugal com destino à Índia, Pedro Álvares Cabral acabou descobrindo o Brasil. De que terão servido os planos de navegação para aqueles aventureiros que acabaram chegando noutro continente?

Prefiro imaginar que serviram para motivar para a ação, que deram segurança aos homens para que se atirassem numa aventura com um risco de morte altíssimo. Para se atirar numa empreitada como essa, é necessária uma visão, um objetivo.

Mas hoje lidamos com montanhas de dados e informações e temos pouca gente com conhecimento, criatividade e coragem para tomar decisões.

O que mais vemos é o medo pela incerteza.

Uma pesquisa realizada em Londres na segunda guerra, quando a cidade era alvo das bombas alemãs, é reveladora. As bombas eram imprecisas e, embora tivessem como destino o centro de Londres, muitas vezes caiam nos bairros mais afastados. A pesquisa mostrou que as pessoas que viviam nos bairros afastados, onde as bombas caíam de vez em quando, apresentaram maior índice de distúrbios cardíacos que as pessoas que viviam no centro da cidade, onde sempre caíam as bombas. A incerteza era o problema…

Quando você tem um plano, mesmo que a bomba venha, você sente a segurança de estar no caminho mais seguro possível. Ou ao menos de ter tomado as providências possíveis. Sem um plano, sem saber onde você quer chegar, qualquer caminho serve, lembra do gato conversando com a Alice?

A resposta que dei àquela pergunta foi uma: tracei um plano, sim, para chegar a um Brasil que idealizei: aos 17 anos de idade eu queria ser um grande cartunista e escritor brasileiro. Estudei na área que me interessava, comunicação, me expus a situações, escolhi caminhos, me privei de prazeres e trabalhei como louco. E um dia percebi que não ia rolar. Que a vida como cartunista ou escritor seria difícil, eu estava recém-casado, sem grana, só com incertezas. Bolei então um plano estratégico: deixaria de lado, guardado, o sono de ser cartunista e escritor, e arrumaria emprego num grande empresa, onde eu tivesse a segurança de um salário mensal, férias, décimo terceiro e tudo mais. Ficaria na empresa por 3 ou 4 anos, tempo suficiente para eu amadurecer, guardar algum dinheiro e aprender como era a vida de casado. Então eu sairia da empresa e montaria meu próprio negócio, para viver do cartum e da escrita.

E assim fiz. E meu plano quase deu certo… Só não deu porque em vez de 4 anos, eu fiquei 26 anos na empresa. E 12 na função de diretor.

De repente lá estava eu, de terno e gravata, executivo de multinacional, viajando o mundo, tentando mostrar para os gringos que o Brasil era um país sério e ajudando a vender… autopeças.

Muito distante do sonho do escritor e cartunista.

Mas e aquele plano lá dos 17 anos de idade? Continuou ali, adormecido. E tudo que aprendi no caminho de me tornar um escritor e cartunista, me ajudou imensamente na carreira de executivo. Escrevi pra caramba, desenhei pra caramba, aprendi pra caramba. E quando em 2008 o destino quis que meu tempo na empresa se encerrasse, aos 52 anos, eu decidi sair da empresa. Fiz um acordo e no dia seguinte eu estava sentado em meu escritório, no Café Brasil Editorial, fazendo palestras, prestando consultoria e… escrevendo e desenhando.

Aos 17 anos de idade, como Cabral, eu fiz um plano: eu ia para o Brasil de meus sonhos.  Eu não sabia se chegaria no Rio Grande Sul, em Santos, na Bahia ou em Fortaleza. Mas sabia que chegaria ao Brasil que visualizei.

Foi aquele plano, traçado 43 anos atrás e adaptado conforme o tempo passava, que me trouxe até aqui.

Eu tinha um plano. Sem ele, em vez de Brasil, talvez eu tivesse chegado na Índia.

E você? Tem um plano?

Ou apenas esperanças?