Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

609 – As leis
609 – As leis
No Fórum da Liberdade que aconteceu em abril de 2018 em ...

Ver mais

608 – As 12 Regras
608 – As 12 Regras
Jordan Peterson é psicólogo clínico, crítico cultural e ...

Ver mais

607 – Uma Guerreira
607 – Uma Guerreira
Este programa reproduz na íntegra o LíderCast 100, pois ...

Ver mais

LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 - Hoje conversamos com Jeison Arenhardt, ...

Ver mais

LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 - Hoje conversamos com Odayr Baptista, ...

Ver mais

LíderCast 103 – Ivan Witt
LíderCast 103 – Ivan Witt
Hoje conversamos com Ivan Witt, um executivo brasileiro ...

Ver mais

LíderCast 102 – Paulo Cruz
LíderCast 102 – Paulo Cruz
Com Paulo Cruz, professor, pensador, voz dissonante da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O Ibope e a caricatura do conservadorismo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Essa pesquisa que mede o grau de conservadorismo da sociedade brasileira é das coisas mais estúpidas que o Ibope já fez.

Ver mais

A nova onda
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4 A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora ...

Ver mais

A Copa do Mundo Socioeconômica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Copa do Mundo Socioeconômica[1] Considerações preliminares No próximo dia 14 de junho terá início a 21ª edição da Copa do Mundo da FIFA (Fedération Internationale de Football Association), um ...

Ver mais

As 50 empresas mais inovadoras do mundo
Mauro Segura
Transformação
Saiu a edição 2018 do estudo "As 50 empresas mais inovadoras do mundo" do BCG, que apresenta os principais movimentos que grandes organizações estão fazendo para inovar e impactar a sociedade.

Ver mais

Cafezinho 65 – A burrice
Cafezinho 65 – A burrice
Qualquer semelhança com gente que você conhece é pura ...

Ver mais

Cafezinho 64 – Outra piada
Cafezinho 64 – Outra piada
O caso do triplex no Guarujá começou em setembro de ...

Ver mais

Cafezinho 63 – Sai fora
Cafezinho 63 – Sai fora
As pessoas com as quais você anda, as fontes das quais ...

Ver mais

Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de ...

Ver mais

A Cara Do Brasil

A Cara Do Brasil

Luciano Pires -

“Aqueles que desejam tratar política e moral separadamente, jamais entenderão nada sobre nenhum dos dois”. Quem escreveu isso foi Jean-Jacques Rousseau no século 18…
Você já refletiu sobre a forma como nossos políticos se comportam quando valores morais entram em conflito com interesses políticos?
A recente eleição na Câmara foi uma aula para quem conseguiu acompanhar o processo sem ferver o sangue. Vimos um mini Brasil em Brasília com os representantes do povo, ao vivo e em cores, atuando numa eleição cheia de intrigas, surpresas, traição, ameaças… Todos os ingredientes de uma boa novela, mas…será que aprendemos algo?
Vamos começar com uma definição, recorrendo ao dicionário. “Clero” significa classe sacerdotal, corporação de sacerdotes. Sacerdote é um ministro que, entre os antigos, oferecia vítimas à divindade; padre de qualquer religião; e no figurativ o que exerce profissão honrosa, elevada e nobre. Alguém, certamente inspirado pelos atributos “honra” e “nobreza”, designou os nobres deputados como “clero”. E um humorista criou o “baixo clero”, composto por deputados que não têm influência sobre as ações da câmara, sempre em segundo plano, sem aparecer na mídia.
Pois acabamos de assistir a chegada ao poder do baixo clero, na figura de Severino Cavalcanti, eleito presidente da Câmara de Deputados contra a vontade do governo.
Foi uma eleição atípica, com o objetivo de dar uma lição no governo. Um triste espetáculo de cinismo político, apoiado no princípio de que o fim justifica os meios. As credenciais do candidato, não importaram. Se fosse o Lacraia, seria eleito igual. Tudo para derrubar o PT. A política, pela política, para a política. Dane-se a nação, dane-se o projeto de reforma do país, danem-se eu, você e o bispo.
Assistindo às intervenções de Severino pela TV, senti-me no início dos anos 80, quando os coronéis pintavam e bordavam num Brasil ainda calado pela repressão e faziam da política um fim, não um meio.
Eles voltaram…
Aceite resignado, pois quem elegeu o “baixo clero” foi o mesmo, mesmíssimo povo que elegeu o Presidente da República. Mais que isso. Quem elegeu o Severino fui eu. Você. Seu sogro. Sua tia. Seu vizinho. Nós que votamos nos Deputados que votaram no Severino.
Por isso, dobre a língua quando você der de cara com a figura de Severino Cavalcanti sofrendo para articular uma frase que não assassine o nosso idioma ou para casar duas idéias numa só sentença. Engula a indignação quando ouvir o bravo Severino ressuscitando uma cara de pau digna dos tempos de Paulo Maluf e tripudiando sobre quem reclama do aumento obsceno de salários para os deputados.
Ele é o resultado da democracia pela qual lutamos durante anos e, como amadores, implementamos sem treinar os jogadores. A democracia que permite que um ex-operário seja eleito Presidente, dando uma lição ao mundo. A democracia que suporta uma Câmara de Deputados que é o retrato do país. Ou que é aquela que o país merece.
Afinal, em que tipo de solo você acha que brota a honestidade política? Só pode ser num solo adubado por uma cultura de tolerância, disciplina, solidariedade e justiça social.
O nosso solo é assim? Estou achando que não.
Severino Cavalcanti tem a cara do Brasil…