Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Seu bosta

Seu bosta

Luciano Pires -

Numa conversa com meu amigo Sandro Magaldi antes da gravação de mais um LíderCast, falávamos da empáfia que encontrávamos nos contatos com gente que trabalha em empresas badaladas e que “se acha”. Contei de uma experiência horrível ao ser recebido por duas garotas numa agência de publicidade, quando fui esnobado e quase humilhado ao tentar apresentar o podcast como uma opção de mídia. A única pergunta que me fizeram foi se havia comissão de agência.

Essas pessoas são uma espécie de Bozós da modernidade… Ops. Essa moçada não sabe quem foi o Bozó.

Mas a conversa foi legal, pois me fez lembrar de um texto que escrevi uns quatro ou cinco anos atrás e que publiquei apenas como um post no Facebook. Mas como a coisa está piorando, lá vai.

SEU BOSTA

Então sou chamado para uma reunião numa das maiores agências de propaganda do país. Aliás, do mundo. Badaladíssima, daquelas que ganham prêmios internacionais e publicam páginas quádruplas na Veja, sabe como é? Para impressionar, deixei de lado o lap top (lembre-se, este texto é de cinco anos atrás) e peguei meu iPad. Botei uma roupa mais, digamos, transada e fui pra reunião, pronto para arrasar. Cheguei, não havia onde estacionar. Procurei um estacionamento, deixei o carro e lá fui. Fiquei do lado de fora, na calçada, onde apertei um botão. Ouvi pelo interfone a voz do porteiro:

– Pois não?

– Eu gostaria de falar com o Fulano.

– Quem quer falar?

– Luciano Pires

– De que empresa? A que horas está marcada a reunião?

Respondi e ouvi:

– Aguarde um minuto, seu bosta.

Bem, na verdade o porteiro não falou aquele “seu bosta”, mas pela esnobação e entonação da voz foi isso que ele me fez entender. Alguns minutos depois ouvi o “clic” da porta e a voz do porteiro:

– Tá liberado. Vá por ali até a recepção. Seu bosta.

Bem, na verdade o porteiro não falou aquele “seu bosta”, mas pela esnobação e entonação da voz foi isso que ele me fez entender. Entrei num lugar todo transado. Penumbra, som ambiente, cores, móveis estranhos, até chegar a um balcão onde as recepcionistas, duas garotas lindas, com seus 23 anos de idade e roupas e cabelos da moda, conversavam. Elas estavam sentadas e eu em pé, mas tive a estranha sensação de que me olhavam de cima para baixo. Chamei pelo Fulano.

– É fulanô.

Tinha uma entonação diferente no nome do cara…

– Pode aguardar ali, seu bosta.

Bem, elas não disseram o “seu bosta”, mas pelo tom da voz, o olhar de enfado, narizinho lindo empinado e falta de sorrisos, foi o que me fizeram entender. Depois de examinar um móvel estranhíssimo, concluí que era uma poltrona. Sentei com cuidado, esperando que alguém me desse uma dura por sentar no camafeu do dono. Observei a sala de espera, que na verdade era uma área de circulação: paredes de vidro aqui, uma escultura estranha ali, uma escada transada acolá, uma pintura na parede alhures, um lustre extraterrestre, aquelas coisas caras, do tipo “tá vendo como eu sou criativo, seu bosta?”.

Ninguém apareceu, abri o iPad e fiquei aguardando o Fulanô. Minutos depois ele chega, um garoto com 26 anos de idade, cabelinho à Neymar e uma coisa no pé que não sei se era tênis ou coturno.

– Olá Luciano, estou esperando que instalem o computador na sala de reunião. Aguarde aí, seu bosta.

Bem, na verdade ele não disse “seu bosta”, mas pelo tom de voz… Continuei a examinar o lugar. Impressionante, espaçoso e com aquela arquitetura feita para diminuir a gente, que me lembrou uma igreja. Eu estava num templo, o templo da Igreja dos Santos do Monte de Grana de Todos os Dias.

Minutos depois o fulanô retorna e diz:

– Deu um problema lá na sala de reuniões e não dá pra subir. Tenho os arquivos aqui num pendrive. Dá pra ver aí ?

Não dava. IPads não têm entrada para pendrives. Era a primeira vez que eu ia a uma reunião sem meu lap top e o cliente me apresentava um pendrive que a bosta do iPad não lê!

Me senti um bosta.